Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 07/09/2018

Assim que decidi que iria para a Califórnia, comecei a pesquisar sobre a Disneyland Califórnia, o primeiro parque criado pelo Walt Disney em 1955. De inicio pensei em comemorar meu aniversário lá, no dia 10 de maio, porém decidi ir no dia 09 de maio, uma quarta-feira.

Disneyland California

Localização

O Disneyland Califórnia está localizado em Anaheim, cidade a 41km de Los Angeles. Muitas pessoas se hospedam na cidade para aproveitar um parque por dia e para curtir as atrações com mais calma. Há apenas dois parques lá, o Disneyland e o Disney California Adventure Park.

Como eu tinha muita coisa para conhecer em Los Angeles e nos arredores, decidi ir apenas um dia na Disneyland. De inicio pensei em ir de ônibus e metrô, fiz muitas pesquisas, planejei muito pelo Google Maps, porém estava achando arriscado perder quase 2h no transporte público e consequentemente meu dia nos Parques.

Por isso, comecei a buscar outros transportes para ir até o parque e acabei encontrando a LuxBus America, que é uma empresa de transfers que tem opção para a Disney.  O transfer, que me custou $45, saiu às 7h de Los Angeles e chegou em Anaheim por volta das 8h10. Já à volta, foi às 20h de Anaheim, chegando em Los Angeles por volta das 21h10. O ponto de partida foi no Hotel Roosevalt, que ficava do lado do meu Hostel, o Walk of Fame Hostel. Comprei este serviço pelo site deles antes de ir viajar e com cartão de crédito.

 

Ingresso

Após pesquisas acabei comprando o ingresso no site oficial da Disney, pois as empresas que vendiam o ingresso em real não tinham a opção de comprar apenas um ingresso. Eu cheguei a pensar em comprar o ingresso de um dia para visitar os dois parques, na época custando $147, porém fiquei com receio de não curtir nenhum nem outro, e acabei comprando o ingresso apenas para um Parque. Paguei $97 no ingresso para um parque mais $10 para o MaxPass.

O MaxPass é um serviço onde você pode reservar, pelo aplicativo, o horário que você irá na atração, diminuindo seu tempo em filas. Isso porque quem tem o MaxPass vai para uma fila diferente da geral e acaba entrando nas atrações no horário reservado. Com isso consegui ir em uma quantidade maior de atrações. Ahh, com o MaxPass você também pode fazer o download das fotos que você tira no parque com os fotógrafos oficiais. Comprei o MaxPass mais por conta dessa opção, uma vez que eu estava viajando só, porém,(devo confessar que não gostei muito das fotos que eles tiraram não ).

Alimentação

Comida em qualquer parque é cara, é assim no Brasil e é assim na Disney, principalmente se levar em consideração que o dólar está mais de R$4. Apesar disso, há opções de lanches em conta na Disney, você só precisa pesquisar. Para não perder tanto tempo com isso, sugiro que você olhe antes, no aplicativo, o cardápio dos restaurantes da Disney. No dia que eu fui na Disney, eu não tomei o café da manhã do Hostel pois saí bem mais cedo, e acabei tomando um café e comendo um croassaint na rua. Por volta de 12h parei para almoçar e comprei uma pizza individual (tamanho que equivale a nossa pizza P no Brasil) por $7 e um copo grande de refrigerante  médio por $3,59 na Clarabelle’s, em Toontown. Não gostei muito da pizza, pois tinha muita massa e estava queimada rsrs. Umas 3h depois acabei comprando um sorvete recheado com o formato do Mickey por $4.

 

Atrações

Ainda bem que não inventei de visitar o Disneyland e o California Adventure no mesmo dia, pois seria impossível. A Disney é gigante, tem muita coisa para ver e muitas atrações para ir. Tentei ir ao máximo de atrações possíveis, mas não consegui, apesar de ter o MaxPass.

Abaixo as atrações que eu mais gostei:

Star Tours – The Adventures Continue

Indiana Jones™ Adventure

Jungle Cruise

Buzz Lightyear Astro Blasters

Finding Nemo Submarine Voyage

“it’s a small world”

Haunted Mansion

Foto: Pixar Parade

Assista aos vlogs da minha primeira vez na Disneyland:
Parte I

Parte II


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 22/08/2018

Esse post demorou mas saiu! Los Angeles foi a última cidade em que estive durante minha viagem dos sonhos para a Califórnia, que ocorreu entre abril e maio deste ano. Ao invés de fazer posts contando como foram meus dias na cidade,  como fiz com os posts de San Francisco (aqui), resolvi fazer posts com dicas sobre o que fazer na capital do cinema.

Saber mais sobre as estrelas no Observatório Griffith

O Observatório Griffith é um grande planetário de Los Angeles, localizado no parque de mesmo nome. No planetário, os visitantes tem acesso à telescópios gigantes, explicações e gráficos sobre a rotação da terra, dos planetas, surgimento das estrelas, enfim, tudo sobre os astros e como eles influenciam às mares ou as estações, por exemplo. A vista do observatório Griffith é linda, de um lado o letreiro de Hollywood, do outro Los Angeles vista de cima. entrada no planetário é gratuita, mas algumas palestras especificas são pagas. Além disso, o observatório foi locação de algumas cenas de La La Land.

 

No dia que cheguei em Los Angeles, o pessoal do The Walk of Fame Hostel ia para o observatório, aí aproveitei para ir com eles. Pegamos o metrô na estação Hollywood Highland e descemos na estação Vermont/Sunset Station. De lá, fomos até um ponto de ônibus em frente a estação e pegamos o ônibus Dash Observatory que vai até o Observatório. Assista ao vlog deste passeio aqui.

Se sentir uma patricinha de Beverly Hills

Atire a primeira pedra a pessoa que ama o filme “As Patricinhas de Bervely Hills” mas nunca teve vontade de conhecer o bairro Bervely Hills em Los Angeles, onde moram diversas celebridades.E é impossível estar na cidade do cinema e não querer ir conhecer esse bairro e tirar a típica foto no letreiro de Bervely Hills. O Letreiro está localizado na rua 9390 N Santa Monica Blvd, Beverly Hills , de lá é só atravessar a rua para começar a bater perna pela Rodeo Dr e se maravilhar com as decorações de lojas como Hermès, Chanel, Louis Vuitton, eu não entrei em nenhuma (claro hahaha), mas só olhar vale muito a pena.

Placa de Hollywood

Eu não tinha colocado esse ponto em meu roteiro, pois havia lido que precisa ter muita disposição para chegar no local. Contudo, acabei conhecendo duas brasileiras enquanto estava em Bervely Hills e acabei seguindo elas neste passeio. Fomos de carro até a Dr Street, lá estacionamos e fomos seguindo a pé até chegar no ponto onde está localizada o letreiro de Hollywood. Quase morri no meio do caminho, pois são uns 25 minutos a pé (não dá para ir de carro, pois não tem como estacionar o carro na estrada ou no local, por ser um bairro residencial e porque é proibido ficar andando por ali se você não é morador rs).

Visitar o The Broad Museum

Eu conheci o The Broad Museum, um museu de arte contemporânea, ao ver diversas imagens da xxx, essa instalação da foto abaixo e assim que decidi que iria para Los Angeles entrei no site para ver o valor da entrada, que não existe rsrs. Bem, na verdade a entrada para o museu é gratuita e apenas algumas exposições são pagas. Contudo, você precisa reservar com certa antecedência para não correr o risco de não entrar ou enfrentar uma fila enorme. Vale a pena visitar o The Broad, que tem mais 2.000 obras de arte em sua coleção, entre elas obras de artes famosas de Andy Warhol, Ellsworth Kelly, Sherrie Levine, entre outros.

A primeira imagem é da obra Tulipas, de  Jeff Koons.
Localização: 221 S Grand Ave, Los Angeles, CA 90012, EUA

Se sentir na Itália em Venice

Não tem como não se lembrar de Veneza estando em Venice, distrito a oeste de Los Angeles, isso porque o Venice Canal Historic District foram construídos em 1905 por Abbot Kinney, cujo objetivo era recriar o ambiente de Veneza na América do Norte. Contudo, eles só começaram a ser valorizados a partir de 1992, quando eles passaram por uma reforma. Vale a pena andar pelos canais observando as casas e os pequenos píeres no canal.

Assistir o pôr do sol em Santa Mônica

Localizada na região metropolitana de Los Angeles, Santa Mônica é famosa pelo seu Piér com inúmeras atrações, como o clássico carrossel, de 1922, localizado dentro de um salão; um aquário, lojas de lembrancinhas, restaurantes, e um parque de diversão. Aproveite um final de tarde para conhecer o lugar, evite os fins de semana (fui no sábado e estava lotado), leve lençóis ou canga e aprecie o pôr do sol com a imagem da roda gigante do Pacific Park ao lado.

Já foi a Los Angeles e fez alguns destes passeios? Nunca foi, mas tem vontade de conhecer a capital do cinema? Comente aqui


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 24/07/2018

Assim que eu comecei a planejar minha viagem de fato e de ter decidido que esticaria até Las Vegas, o Grand Canyon logo veio a minha cabeça. Contudo, eu só encontrava relatos de pessoas que tinham ido até o local de carro e não de ônibus e foi aí que intensifiquei minhas pesquisas, para saber se tinha como ir de ônibus, sozinha, de excursão.

Como ir ao Grand Canyon de ônibus saindo de Vegas?

Encontrei vários nomes de empresas que faziam esse tour, e aí veio outra dúvida: comprar daqui ou deixar para comprar lá. Mas faltando cerca de um mês, entrei no Groupon dos Estados Unidos e encontrei uma oferta de $94 pela empresa Grand Canyon Company Tour, como eu já tinha ouvido falar desse empresa, comprei. Enviei um email para eles antes, perguntando o que eu precisaria fazer depois de comprar o voucher, e eles me responderam falando que era só enviar um email para eles para trocar o voucher do Groupon pelo ticket deles, e foi o que eu fiz.

Cheguei em Las Vegas em uma sexta a noite e fiz este passeio no domingo, 6 de maio. Combinei com a empresa de pegar o ônibus às 6h em frente ao Stratosfere Las Vegas, que era o hotel mais próximo do hostel que eu estava, o Sin City. O ônibus saiu por volta das 06h20 do local, pegou passageiros em outros hoteis, passou na sede da empresa para confirmação do cadastro, pagamento e para o café da manhã (café, água e uns croissants doce), que estava incluso na compra do ticket. Já era 8h da manhã quando saímos de Las Vegas rumo ao Grand Canyon. Por volta do 12h paramos no restaurante Rodeo em Williams para o almoço Buffet, que estava incluso no pacote e chegamos no Parque Nacional do Grand Canyon – South Rim por volta das 14h30.

Williams

O Grand Canyon, uma das sete maravilhas do mundo natural, é uma formação rochosa, que resultou de processos erosivos, principalmente pelas águas do rio Colorado, chuva, neve e vento. Sua história começou a mais de 2 bilhões de ano quando rochas ígneas e metamórficas foram formadas. E a 6 milhões de ano ele vem sendo esculpido pelo Rio Colorado, que atravessa a região mais árida da América do Norte, o Arizona. O Grand Canyon possuí 445km de comprimento.

 

Chegar no Grand Canyon é um misto de alegria e emoção. A gente perde as formações rochosas de vista e em alguns pontos é possível avistar o Rio Colorado traçando seu caminho entre os canyons. Me senti tão pequena naquele lugar tão gigante. Valeu muito a visita. Fiquei andando pelo Parque Nacional (que conta com loja de lembrancinhas, lanchonete e um Museu onde é possível entender como o Grand Canyon se formou) té às 17h, quando o ônibus saiu de lá para voltar para Vegas. Teve uma parada para lanche, em uma cidade que não lembro o nome, e passamos pela Hoover Dam na volta, estava iluminada, mas não dá para ver muita coisa. Chegamos em Vegas por volta das 22h, e fui direto para o Hostel dormir.


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 11/07/2018

Vai para Las Vegas mas não gosta muito de balada? ou vai com crianças? apesar de conhecida como uma cidade para adultos, em Vegas há atrações para todas as idades, e muitas gratuitas. Vejam:

Se perder nos hotéis da Strip

Las Vegas é conhecida como Sin City, a cidade do Pecado, que nunca dorme, como parque de diversão para adultos, e é mesmo. Contudo eu diria mais, Las Vegas é a cidade dos hotéis mais grandiosos deste mundo. É um mais maior que o outro, mas imponente, mais grande, mais cheio de atração que o outro, e só de dizer isso vocês já percebem que eu amei essa parte da cidade. E em quase todos os hotéis de Vegas há cassinos, variedade de lojas e atrações.

Os que eu mais gostei foram:

Caesars Palace

Bellagio

The Venetian

New York New York

Tentei entrar em todos, mas não consegui fazer isso em apenas dois dias.

Conhecer a loja do Trato Feito

Eu amo assistir o programa Trato Feito do History Channel e assim que comecei programar a viagem coloquei a visita à Gold & Silver Pawn Shop no meu roteiro de Vegas. Sim! a loja que ganhou um programa de TV, comandada pela família Harrison há três gerações fica na cidade do pecado e qualquer pessoa pode visita-la diariamente das 9h às 21h. A loja é gigante e dividida por áreas, não pode filmar lá dentro, mas é permitido tirar fotos. Na minha inocência achei que encontraria algum membro da família Harrison durante a visita, mas depois descobri que isso é quase o mesmo que ganhar na loteria hahaha.

A Gold & Silver Pawn Shop fica a 8 minutos caminhando do Sin City Hostel, e por isso fui a pé.

Endereço exato: 713 S Las Vegas Blvd, Las Vegas,

Ver o Show das fontes do Bellagio

Eu já tinha visto este show em vídeos pela internet, mas assistir as águas dançando ao som da música é incrível, tanto que assisti durante o dia duas vezes e durante a noite. O Show das Águas do Bellagio é magnifico e emocionante e te faz entrar no clima da cidade, que nunca para. A cada apresentação, que ocorre de hora em hora depois das 11h, uma música e coreografia diferente. Assista aqui!

Horários

Segunda a Sexta: 15h – 20h shows de 30 em 30 minutos
20h – 24h shows de 15 em 15 minutos

Sábado e feriados: 12h – 20h shows de 30 em 30 minutos
20h – 24h shows de 15 em 15 minutos

Domingo: 11h – 19h shows de 30 em 30 minutos
19h – 24h shows de 15 em 15 minutos

Assistir ao “The Fall of Atlantis Show “

A atração retrata a rivalidade dos dois filhos do Rei Atlas,  e como a ganância e desejo de poder de ambas acabou levando Atlântida ao declínio. Apesar de um pouco longo, gostei muito dos efeitos de água e fogo utilizado na atração e é uma ótima alternativa gratuita para quem não vai ver nenhum show ou teatro em Vegas.

O “The Fall of Atlantis Show” ocorre de hora em hora, entre às 11hs e 22hs (sextas e sábados até as 24hs) no  Forum Shops, um shopping dentro do Caesars Palace.

Passear pela Fremont Street, berço dos Cassinos de Vegas

Foi na Fremont Street que surgiu Os primeiros cassino de Vegas surgiu na Fremont Street, lugar que andou por muitos anos em decadência, mas que hoje atrai muitos visitantes. A principal atração do local é o gigantesco painel de led que cobre toda a rua, que é cheia de shows, artistas de rua caracterizados, lojinhas de souvenires, entre outros. Ahh dá para atravessar a Fremont Street de tirolesa.

E você, já foi em Vegas? do que mais gostou?


Páginas123456... 25»