Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 02/03/2016

cartão-de-credito-lary-di-lua (1)

Eu não tenho cartão de crédito e impressiono a todos quando digo isso. E não é por falta de oferta por parte das operadoras, que me ligam insistentemente oferecendo cartão. Mas enquanto eu puder adiar, adiarei.

Sempre observo amigos, e até em casa mesmo, as pessoas comentando que a fatura do cartão veio altíssima. As pessoas esquecem que quando se faz uma compra no cartão de crédito você apenas adia aquela dívida, e que uma hora terá que pagá-la. Além disso, quem não tem sua vida financeira sob controle sofre quando várias parcelas se encontram justamente naquele mês em que não sobra dinheiro para nada.  Ter cartão de crédito exige controle, e se você não tem, ficará endividado bem antes dos 30 anos.

cartão-de-credito-lary-di-lua (3)

Aprendi a comprar as coisas sempre à vista, e a ideia de parcelar uma dívida em partes me dá dor de cabeça. Além disso, quase sempre há um desconto garantido para o pagamento a vista. É claro que tem coisas que você terá que parcelar (a não ser que você tenha muito dinheiro), como carro, casa, e outros objetos de valores altos. E é claro que eu já tive que usar o cartão de crédito da minha mãe, pois tem sites que ainda insistem em só aceitar pagamento via cartão de crédito, mas evito o máximo e sempre escolho parcelar a conta em apenas 1x.

Não ter cartão de crédito é uma escolha que me ajuda sobretudo a economizar dinheiro, pois sempre penso bem antes de comprar coisas supérfluas e se vale a pena usar o dinheiro da minha poupança.

cartão-de-credito-lary-di-lua (2)

Dicas para não se endividar com cartão de crédito:

Sempre pague o valor total da fatura;

Faça uma lista dos seus gastos durante o mês, e anote todos os pagamentos e gastos durante o mês, inclusive as contas feitas no cartão;

Não tenha um limite de crédito acima da metade de sua renda mensal;

Participe dos programas de recompensa do cartão, muitas operadoras oferecem pontos que podem ser trocados por produtos, descontos e até passagens áereas;

A coisa ficou feia e não sobrou dinheiro para pagar a fatura? Ligue na operadora do cartão e renegocie a dívida.

E vocês, como lidam com o cartão de crédito?


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 09/02/2016

Bom dia.
Chegou ao fim o sorteio de 7 anos do Di Lua, e fiquei muito feliz com as 675 participações que o sorteio teve.
E o grande vencendor foi:

a Nayara Faleiro!

Ela seguiu todas as regras, e tem 48h para responder minha mensagem, caso ela não responda eu sortearei novamente.

Para a realização do sorteio usei o site Random.Org, que gera número aleatórios, e tirei print de todo o processo, que vocês podem ver abaixo:
Resultado do sorteio

*Lembrando que a contagem começa no 2, pois a linha 1 é os dados da tabela.

**Update 10/02/2016 – A ganhadora já entrou em contato.


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 15/01/2016
mesada lary di lua (3)Foto: Laryssa Machado

De inicio, o título deste post seria “Fique Rico Poupando”, mas achei muito cliché e que parecia muito com títulos de livro de auto ajuda (mas esse post não deixa de ser auto ajuda), e então resolvi mudá-lo para “Poupe sua mesada”, pois será o principal assunto do post de hoje. Finanças é um assunto que permeia, e muito, a minha vida, mas nunca tinha tratado sobre isso aqui no blog, e como estamos começando um ano novo, nada mais justo que pensar e reavaliar nossa vida financeira.

Comecei a ganhar mesada ainda quando criança, aos 8  anos.  No inicio a mesada era bemmmm pequena, R$1, e só dava para comprar lanches na escola: laranjinha, salgadinho, balinhas e chicletes. Minha mãe ia aumentando o valor da mesada aos poucos e anualmente, ou seja, os R$1 demorou chegar aos R$10. Mas foi com a mesada que comecei a juntar dinheiro, sempre que queria um brinquedo novo eu juntava o dinheiro que ganhava para compra-lo. Me lembro que quando tinha uns 11 anos, queria muito um fogãozinho de brinquedo e minha mãe não quis compra-lo, como eu ganhava R$10 de mesada, sugeri que ela comprasse o fogão e eu ficaria quatro meses sem receber a mesada. Ela não quis e eu fui para casa chorando. Bom, superei esse trauma (kkkkk), mas o moral dessa história é que aos 11 anos eu já sabia o valor do dinheiro, e sabia também que se eu juntasse ou poupasse eu poderia comprar tudo que eu queria.

mesada lary di lua (1)Foto: Laryssa Machado

Com o passar do tempo e o aumento da minha mesada, passei a incorporar hábitos que foram fundamentais para a minha educação financeira. Comprava o lanche mais barato, economizava cada centavo, gastava dinheiro só em coisas realmente importantes, mas meu principal lema era juntar dinheiro. No inicio era para comprar um game boy, que acabei nem comprando, mas continuei juntando. E assim, aos 14 anos abri uma poupança, a qual tenho até hoje.

Ao longo destes dez anos, economizei demais e gastei demais, principalmente quando comecei a trabalhar e a ter um salário fixo. Minha mesada que chegou aos R$150 quando entrei na faculdade, foi cortada assim que comecei meu estágio. Ao mesmo tempo em que passei a gastar muito (livros acadêmicos, roupas, almoços, entre outros), passei a dar um valor ainda mais importante para o dinheiro, pois eu trabalhava duro para tê-lo. Foram essas economias que custearam minhas primeiras viagens com as amigas (Rio de Janeiro, Buenos Aires, Cidade de Goiás).

Ao terminar a faculdade, saí do estágio e fiquei cerca de seis meses sem trabalhar, contudo, minha vida financeira continuou a mesma, pois além de ter meus pais para me ajudar, eu tinha uma boa quantia em minha poupança. E foi com o dinheiro da poupança que continuei viajando e comprando, mesmo sem estar trabalhando ou recebendo mesada. Ah, e detalhe: sem nenhum cartão de crédito, compro tudo à vista.

mesada lary di lua (2)Foto: Reprodução

Pois bem, todo essa historia que contei da minha mesada e da minha mania em guardar dinheiro, é para mostrar para vocês que poupar é a principal maneira para ter uma vida financeira estável, e assim aproveitar certos prazeres da vida, como viajar ou comprar. A principal maneira de ensinar seu filho a economizar dinheiro é ensinando o valor do mesmo e das coisas. É preciso que ele apreenda que as coisas não caem do céu e que tudo tem um preço, mas que com as estratégias certas podemos alcançar. A minha estratégia é poupar, qual é a sua ?

*Esse post faz parte de uma série de posts sobre Finanças. O próximo post será sobre “Cartão de crédito”.

Gostaram do post? Vocês se preocupam com as suas finanças? Sabe administrá-la?


Páginas«1 ...456789101112... 169»