Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 15/03/2016

ouro-preto-lary-di-lua (1)

Na última quinta-feira, dia 10, viajei para uma cidade que fiquei com vontade de conhecer desde que li “Ladeira da Saudade – de Ganymédes José”, quando tinha dez anos: Ouro Preto. A cidade mineira, que teve seu esplendor no século XVIII, recebeu o título de Patrimônio Mundial da UNESCO em 1980.

Nos quatro dias que fiquei em Ouro Preto, visitei igrejas, famosas por sua arquitetura rococó e por obras significativas do Aleijadinho e Ataíde, museus, fui de trem para Mariana e visitei mina de ouro. Dividi esse Diário de Viagem em quatro partes para não ficar tão cansativo. Nesse primeiro você conhece um pouco mais sobre a História de Ouro Preto.

ouro-preto-lary-di-lua (4)Praça Tiradentes

História de Ouro Preto

Buscando ouro, pedras preciosas e escravos indígenas, os bandeirantes começaram a percorrer a região onde hoje é Minas Gerais ainda no século XVI. Mas foi só no final do século XVII que o ouro foi descoberto na região, inclusive correndo no leito do Rio do Carmo, que nasce na Serra do Espinhaço, em Ouro Preto, entra em Mariana e desagua no Rio Doce.

Uma verdadeira “corrida do ouro” ocorreu no século XVIII a partir da descoberta, e brasileiros e portugueses passaram a migrar para as regiões auríferas buscando o enriquecimento fácil. Contundo, quem mais lucrava com a atividade era a coroa portuguesa, que cobrava o quinto, através das Casas de Fundição, de todo o ouro encontrado. Portugal ainda cobrava uma certa quantidade de ouro das regiões auríferas.

ouro-preto-lary-di-lua (16)Interior da Casa dos Contos

Com isso, a população de Vila Rica começou a crescer. A ocupação deu-se nas margens dos ribeirões, onde o ouro era abundante, e nos morros que circundam a cidade, repletos de minas. O município chegou a ser o mais populoso no período colonial, contando com cerca de 40 mil pessoas em 1730 e com 80 mil algumas décadas depois. Oficialmente, foram enviadas a Portugal 800 toneladas de ouro no século XVIII, isso sem contar o que circulou de maneira ilegal, nem o que permaneceu na colônia, como por exemplo o ouro empregado na ornamentação das igrejas.

ouro-preto-lary-di-lua (13)

Ouro Preto foi palco de vários conflitos, entre eles:

– Guerra dos Emboabas, em 1708 – conflito travado pelo direito de exploração das recém-descobertas jazidas de ouro na região de Minas Gerais, cujo ponto alto ocorreu em Cachoeira do Campo, atual distrito de Ouro Preto.

– Inconfidência Mineira, em 1789 – tentativa de revolta que pretendia eliminar a dominação portuguesa de Minas Gerais, estabelecendo um país independente. O povo, principalmente os fazendeiros rurais e donos de minas, estavam insatisfeitos com os impostos que deviam ser pagos a coroa portuguesa advindos da exploração do ouro, que começava a diminuir. Assim, a elite mineira começou a se reunir para conquista a liberdade definitiva e implantar o sistema de governo republicano. O grupo era liderado pelo alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido por Tiradentes, e composto pelos poetas Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa, o dono de mina Inácio de Alvarenga, o padre Rolim, entre outros. Contundo, visando receber o perdão da coroa, o inconfidente Joaquim Silvério dos Reis denunciou o grupo para as autoridades portuguesas. Todos os inconfidentes foram presos e enviados ao Rio de Janeiro, acusados pelo crime de infidelidade ao rei. Alguns inconfidentes foram degredados para a África e outros uma pena de prisão. Porém, Tiradentes, após assumir a liderança do movimento, foi condenado à forca em praça pública.

ouro-preto-lary-di-lua (12)

Museus

Visitar Ouro Preto é reviver a história, é reviver o ciclo do ouro através das paredes das igrejas, dos museus e das ladeiras. Para conhecer a história da cidade e saber mais sobre a mineração, vale a pena visitar o Museu da Inconfidência, o Museu da Mineralogia e a Casa dos Contos.

ouro-preto-lary-di-lua (15)

O Museu da Inconfidência, inaugurado em 11 de agosto de 1944,  está localizado na Praça Tiradentes, em um prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica. A exposição apresenta a Inconfidência relacionada a cidade, mostrando a infraestrutura de Ouro Preto, das origens até o período imperial, objetos de construção civil, meios de transporte, mineração, documentos da inconfidência, objetos dos inconfidentes, além da criação artística da cidade, em que Aleijadinho é um dos artistas principais. Ingresso: R$10 inteira e R$5 meia.

ouro-preto-lary-di-lua (10)

No Museu de Ciência e Técnica – Escola de Minas da UFOP (Mineralogia), também localizado na Praça Tiradentes, os visitantes tem acesso a amostras de minerais, entre eles do diamante, do quartzito flexível (pedra mole), estalactites, de ágatas, opalas e outros. Além disso, é possível fazer um passeio através da ciência, e conhecer o observatório astronômico. Ingresso: R$10 inteira e R$5 meia.

ouro-preto-lary-di-lua (14)

O prédio onde funciona o Museu da Casa dos Contos foi construído em 1782 e 1784 para residência do administrador da Arrecadação Tributária das Entradas e Dízimos, João Rodrigues de Macedo. Durante a Inconfidência Mineira, a casa serviu de prisão para alguns conjurados. Atualmente, funciona na Casa dos Contos o Centro de Estudos do Ciclo do Ouro e a exposição permanente da Casa da Moeda do Brasil, onde o visitante confere a historia econômica-fiscal do país através de moedas, cédulas e instrumentos de fundir. Entrada gratuita.

ouro-preto-lary-di-lua (11)