Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 09/05/2017

No segundo dia da viagem, domingo, fomos à Cachoeira Poço Encantado, em Teresina de Goiás, a 30 km de Cavalcante – GO. Fomos no ônibus da excursão mesmo, mas pagamos R$10 (cada) para o translado do Hostel até a Cachoeira, localizada na Fazenda Rio de Pedra, dentro da Chapada dos Veadeiros.

Gastamos cerca de 30 minutos do nosso Hostel até a estrada da entrada da Fazenda. Em certo trecho nosso ônibus não conseguiu continuar e fizemos uma caminhada de cerca de 10 minutos até a entrada do Poço Encantado. Pagamos R$20 (cada) para passar o dia no local, que conta com pousada, restaurante e banheiros.

Da estrada de terra já dá para ver a Cachoeira Poço Encantado, que é belíssima por sinal. Do restaurante, situado na entrada do complexo, até a cachoeira são cerca de 200m de trilha, que, apesar de fácil, conta com uma ponte que balança ( e que dá certo medo haha). A Cachoeira Poço Encantado tem cerca de 38 metros de altura total,  conta com uma “prainha” de areia branca, e, dependendo da época, são formados poços.

Como a Cachoeira está localizada em uma Fazenda, almoçamos por lá mesmo. Os pratos são a La carte e serve de duas a quatro pessoas. Pedimos um prato de filé de frango grelhado para duas pessoas e dividimos em três e comemos super bem. O lado ruim foi que fizemos o pedido às 12h e o almoço só ficou pronto às 15h, e não passa cartão.

Ah, ainda dá para praticar stand up paddle na Cachoeira Poço Encantado, são R$20 por 30min. Como lá não passava cartão, meu dinheiro estava contado para o almoço (descuido meu) e não tive a brilhante ideia de dividir os 30min com minhas amigas haha. Fora isso, o dia foi incrível e valeu muito.

Ficou curioso para ver como foi minha viagem? assista ao vídeo abaixo:

Ah, me segue no Instagram, é lá que posto meu dia a dia!


Por Di Lua, sobre Moda
Dia 05/05/2017

Se você gosta de moda com certeza já assistiu Girlboss, o seriado da Netflix baseado no livro homônimo da Sophia Amoruso, criadora na NastyGal. Li o livro no ano passado, logo quando foi lançado, e amei. Me apaixonei na determinação da Sophia e foi um empurrão para eu continuar empreendendo ( ou pelo menos tentando). Por isso, fiquei doida ao saber que estavam produzindo a série, e bem …, aqui estamos.

Apesar de toda a crítica a série Girlboss e a própria Sophia (mesquinha, só se importava consigo mesma, construiu seu legado com trabalho escravo) gostei muito da série em si. Toda a fotografia e o figurino da personagem me chamaram muito a atenção. Os looks usados por Britt Robertson, que interpreta Sophia, são carregados de styling e ela abusa do mix de peças atuais com peças vintages. E foi seu estilo e sua “sacada” para garimpar peças vintages que fez sua lojinha no eBay se destacar e se tornar uma grande empresária.

Confira os looks da Sophia em Girlboss:

Essa jaqueta western é a peça principal da série, pois é a primeira peça a ser vendida por Sophia no eBay. Eu que amo um estilo boho/country amei essa jaqueta quando vi e fiquei horas pesquisando uma parecida com essa na internet, mas sem sucesso rsrs.

Tem look mais cara de anos 90s que esse? Volta e meia me deparo com um colete desse nos bazares da vida ( já assistiu meu vídeo onde falo sobre fazer compras em brechó? veja aqui). Eu amei esse look pela combinação do vermelho com o azul e porque eu tenho uma calça flare igual à essa (mesma cor haha). Fora que calça flare alonga a silhueta !

Ta aí uma peça que eu amo: macacão jeans, e esse é bem a cara dos anos 70, principalmente pela bolsa de “elos” coloridos.

 

Esse também é um dos looks que mais gostei e um dos mais simples que a personagem usa em Girlboss: uma blusa de alcinha listrada com calça flare de cintura alta. No segundo momento ela joga uma jaquetinha azul por cima e dá outra cara ao look.

Anota aí: as bomber jackets vão voltar com tudo novamente!

E aí, qual o look que você mais gostou em Girlboss e por quê?

Me siga no Instagram e cofira meus looks!


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 03/05/2017

Na sexta-feira, dia 28 de abril, saí com a família e os amigos em uma excursão, com a Satur Viagens, rumo a Cavalcante, cidade a 500 km de Goiânia e 320 km de Brasília, ao norte da Chapada dos Veadeiros. É em Cavalcante que está localizada a Cachoeira Santa Bárbara, comunidades kalungas e diversas belezas naturais.

Saímos de Goiânia às 21h, paramos para lanchar em Anápolis e seguimos viagem. Chegamos ao Hostel e Camping Cavalcante por volta das 5h da manhã. Eu, minha mãe, irmão, primo e amigos preferimos ficar no hostel pela praticidade. Então chegamos lá e nos acomodamos, e depois fomos procurar café da manhã. Às 9h entramos no ônibus rumo ao Engenho Velho II, comunidade Kalunga onde está localizada a Cachoeira Santa Bárbara.

Como a estrada que leva a comunidade Kalunga é de difícil acesso, pagamos R$45 reais (cada pessoa da excursão) por um ônibus mais simples para nós levar de Cavalcante até o Engenho Velho II (cerca de 25 km). No valor estava incluso o pagamento de dois guias. No caminho à comunidade, paramos no Mirante Nova Aurora, de onde podemos ver parte da Chapada dos Veadeiros. Chegando à comunidade, fomos ao Centro de Apoio ao Turista (CAT) onde assinamos uma lista de presença e pagamos mais R$20 para entrar nas cachoeiras.

Vista do Mirante Nova Aurora

Do CAT seguimos para a cachoeira Santa Bárbara de ônibus, mas pouco tempo depois descemos e continuamos a pé, pois o ônibus não conseguia mais fazer a rota, devido a estrada ser ruim, com bastantes pedras e subidas íngremes. Carros 4×4 dão conta do recado (fica a dica!). Durante a trilha de 6 km (nível fácil pois a maior parte é estrada plana) até a Cachoeira Santa Bárbara vimos uma variedade de flores, animais (cobrinhas), paisagens de tirar o fogo e várias nascentes de águas. Quando o cansaço já falava alto, chegamos ao ponto alto do nosso dia: Cachoeira Santa Bárbara, com suas águas cristalinas, que no reflexo do sol fica com um tom de azul lindíssimo.

Ficamos cerca de 1h30 na Cachoeira Santa Bárbara, que tem limite de tempo por causa do grande fluxo de turistas. De lá passamos em Santa Barbarazinha, que fica um pouco antes de Santa Bárbara e também tem as águas em tons de azul. Fizemos uns 20min de trilha e pagamos R$5 (cada) para voltar para a comunidade de “pau-de-arara”.

Chegando na comunidade Kalunga seguimos a trilha para a Cachoeira Capivara, 800m com um nível médio de dificuldade (descidas e muitas pedras). A vista de cima da Cachoeira Capivara é lindíssima (veja foto abaixo), mas o cansaço não me permitiu descer até a queda d’água.

Vista de cima da Cachoeira Capivara

Ficou curioso para ver como foi minha viagem? assista ao vídeo abaixo:

Até o final de semana posto a parte II desta viagem!
Ah, me segue no Instagram, é lá que posto meu dia a dia!


Páginas123456... 268»