Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 30/05/2013

Apesar do sucesso todo que a saga Harry Potter fez, muitas pessoas ainda torcem o nariz, muitas vezes pela obra falar de magia, ser ficcional e classificada como infanto-juvenil (mesmo sendo lida por todas as faixas etárias). O fato é que a série é muito mais que uma mera história sobre magia para crianças.
J.K. Rowling deu toques reais a série, citando lugares, períodos da história, e personagens que existiram de verdade, como o Nicolau Flamel. Na série, Flamel era um famoso alquimista amigo de Dumbledore e criador da Pedra Filosofal, que produzia o elixir da vida ( prolonga o tempo de vida de quem o bebe). Ele e sua esposa viveram mais de 650 anos bebendo este elixir, até Voldemort tentar se apossar da Pedra,  Flamel então a destrói.
Na realidade, Nicolas Flamel foi um francês (Pontoise, 1330 ou 1340 — Paris, 22 de março de 1418) escrivão, copista e vendedor, que ganhou fama de alquimista após seus supostos trabalhos de criação da Pedra Filosofal. Ele escreveu “O Livro das Figuras Hieroglíficas” em 1399, “O Sumário Filosófico” em 1409 e “Saltério Químico” em 1414.
Segundo a lenda, Flamel encontrou um livro antigo com desenhos enigmáticos, aparentando hieróglifos. Ele só conseguiu entendê-lo quando encontrou um sábio judeu em uma estrada em Santiago (Espanha) que fez a tradução do livro, que tratava de cabala e alquimia, possuindo a fórmula da Pedra Filosofal. A Pedra era o elixir da longa vida e transmutava metais em ouro. A partir de 1380 ele começa a dedicar-se à alquimia prática, produzindo ouro no ano de 1382 e depois disso a transmutação em ouro. Conta a lenda que ele e sua esposa, Perrenelle Flamel, não morreram, estando na tumba deles apenas as vestes e nenhum corpo.
Nicolas Flameu é citado também em O Código da Vinci como sendo um dos grão-mestres do Priorado de Sião.