Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 17/01/2011

        Sim, ele estava ali. Jonh estava ali do meu lado, dirigindo o conversível de sua mãe, o qual ele tinha pegado “emprestado” para passarmos o dia. Sei que ele queria me surpreender , e estava conseguindo.  Não, não era por causa do carro, ele tinha aparecido em casa com um buquê de flores, e com palavras bonitas.
        No rádio tocava “Who’ll Stop The Rain ” do Creedence Clearwater Revival, e eu olhava para ele. Aqueles olhos azuis penetrantes me dizia que podia me fazer feliz, apesar do seu jeito inconsequente. E naquele momento eu passei a acreditar que seria feliz.
         Seguiamos sem rumo, aliás seguiamos o vento, a procura de diversão, a procura do amor.


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 05/08/2010
A balada estava muito boa, há tempos Sophie não se divertia tanto. Chegou em casa, tirou a maquiagem e desmaiou na cama. Acordou com o ruído de uma porta que se fechava pesadamente lá embaixo, no térreo. Meio sonolenta, ficou sem saber se era um sonho ou se os pais resolveram voltar antes da viagem. De repente ouviu o som de uma chave caindo do chão, resolveu ir lá embaixo ver o que estava acontecendo.
-Mãe? Pai?- chamou várias vezes.
Viu que não havia ninguém lá, foi a cozinha tomar um copo d’água. De repente sentiu um frio na barriga e o copo de vidro caiu no chão. Nesse exato momento lembrou do e-mail que tinha recebido, e que não deu atenção.
Naquela tarde, enquanto atualizava sua caixa de entrada, Sophie abriu um e-mail de um destinatário desconhecido. Era uma corrente que falava de algumas maldiçoes, e caso não encaminhasse para 10 pessoas, ela ia ser amaldiçoada. Ela que já estava cansada desses e-mails e sem tempo, não mandou para ninguém.
Mas agora veio em sua mente que só podia ser isso, ela tinha ouvido os barulhos, não estava delirando nem bêbada.
– Aff que palhaçada, lógico que não é o e-mail. Devo mesmo estar delirando- pensou e resolveu deitar.
Logo pegou no sono de novo e começou a sonhar que estava em um labirinto e não conseguia achar a saída, gritava por socorro, mas não existia ninguém ali. Depois de muito andar, gritar e cair, chegou no centro do labirinto onde havia uma porta. Ela abriu a porta e se deparou com um computador, onde se lia uma mensagem bem grande:
“Eu te avisei”
Após esse dia ninguém ficou sabendo o que aconteceu com Sophie. Seus pais a procuram até hoje.

Páginas123