Por Di Lua, sobre Cinema
Dia 06/10/2014

Ao invés de mostrar algum produto que comprei no AliExpress e chegou, hoje preparei uma wishilist que vai deixar todo Potterheart  com vontade de gastar os últimos galeões: Produtos Harry Potter no Aliexpress:

 

 

 1-Pulseira Relíquias da Morte – $1,60 | 2-Vira Tempo – $1,60 | 3-Cachecol das casas – $5,10

 

4-Moletom Hogwarts – $12,95  | 5-Camiseta Avada Kedrava Bitch – $10,00 | 6- Camiseta Hogwarts – $10,20

 

 

7-Vestido Relíquias da Morte – $8,79 | 8-Vestido Mapa do Maroto – $7,61

 

 Adesivo para vaso – $4,66


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 10/04/2014

O Basilisco tem origem na Grécia e é conhecido também como o Rei das Serpentes, podendo alcançar até quinze metros de comprimento e mais de 900 anos. Seu principal modo de matar é através dos olhos amarelos, que petrifica quem olhar diretamente para eles. Ele possui também presas bastante venenosas.

A grande cobra, que se alimenta de mamíferos e aves, nasce de um ovo de galinha, chocado por uma rã. O basilisco é quase sempre relacionado com um bruxo das trevas, mas é quase impossível de ser controlado a não ser por ofidioglotas ( que fala língua das cobras, como Voldemort e Harry Potter). As aranhas fogem  da grande cobra, e a única criatura que não é afetada pelo seu olhar é a fênix.

De acordo com Newt Scamander ( Animais Fantásticos e Onde Habitam), o primeiro basilisco foi criado por Herpo ( o Sujo), um bruxo das trevas que após experiências, descobriu ser possível chocar um ovo de galinha através de um sapo, produzindo assim este animal extremamente perigoso. A criação dele é proibida, e o último exemplar que se tem notícia é o que foi morto por Harry Potter, e que estava morando na Câmara Secreta em Hogwarts.

Lenda Grega

Na mitologia grega, o basilisco não diferencia muito do relatado pela J.K Rowling. Segundo a lenda, a grande serpente assemelhava-se à cabeça da Medusa e seu poder de morte erão tão forte, que se um cavaleiro o matasse com uma lança, seu veneno seguiria pela arma, matando não só o cavaleiro, mas também seu cavalo.

O único animal que podia enfrentar o Basilisco e vencê-lo era a doninha que lutava ferozmente contra ele. Outra coisa que assustava o Basilisco era o canto do galo. Talvez pela forma como a lenda relata o nascimento do monstro, este poderia morrer apenas ao ouvir o galo cantar. Depois de morto, a carcaça do basilisco era colocada no templo de Apolo e de Diana, além de ser colocado em casas para espantar as aranhas.

Curiosidades

O basilisco é citado por diversos escritores na Idade Média, por Leonardo da Vinci e inclusive é citado na Bíblia “Não olhes para o vinho, quando se mostra louro, quando resplandece no copo, e se escoa suavemente. No fim seu fim morderá como a cobra, e como o Basilisco picará”, Provérbios 23:31-32.


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 30/05/2013

Apesar do sucesso todo que a saga Harry Potter fez, muitas pessoas ainda torcem o nariz, muitas vezes pela obra falar de magia, ser ficcional e classificada como infanto-juvenil (mesmo sendo lida por todas as faixas etárias). O fato é que a série é muito mais que uma mera história sobre magia para crianças.
J.K. Rowling deu toques reais a série, citando lugares, períodos da história, e personagens que existiram de verdade, como o Nicolau Flamel. Na série, Flamel era um famoso alquimista amigo de Dumbledore e criador da Pedra Filosofal, que produzia o elixir da vida ( prolonga o tempo de vida de quem o bebe). Ele e sua esposa viveram mais de 650 anos bebendo este elixir, até Voldemort tentar se apossar da Pedra,  Flamel então a destrói.
Na realidade, Nicolas Flamel foi um francês (Pontoise, 1330 ou 1340 — Paris, 22 de março de 1418) escrivão, copista e vendedor, que ganhou fama de alquimista após seus supostos trabalhos de criação da Pedra Filosofal. Ele escreveu “O Livro das Figuras Hieroglíficas” em 1399, “O Sumário Filosófico” em 1409 e “Saltério Químico” em 1414.
Segundo a lenda, Flamel encontrou um livro antigo com desenhos enigmáticos, aparentando hieróglifos. Ele só conseguiu entendê-lo quando encontrou um sábio judeu em uma estrada em Santiago (Espanha) que fez a tradução do livro, que tratava de cabala e alquimia, possuindo a fórmula da Pedra Filosofal. A Pedra era o elixir da longa vida e transmutava metais em ouro. A partir de 1380 ele começa a dedicar-se à alquimia prática, produzindo ouro no ano de 1382 e depois disso a transmutação em ouro. Conta a lenda que ele e sua esposa, Perrenelle Flamel, não morreram, estando na tumba deles apenas as vestes e nenhum corpo.
Nicolas Flameu é citado também em O Código da Vinci como sendo um dos grão-mestres do Priorado de Sião.

Páginas123456... 11»