Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 26/10/2019
Bon Jovi Rock in Rio 2019 - lary di lua

Como uma boa fã de rock, especialmente dos anos 70 e 80, eu sempre quis ir no Rock in Rio, mas eu nunca me planejava tanto para isso. Primeiro porque eu nunca tive companhia, meus amigos não são fãs das mesmas bandas que eu e nunca surgiu a ideia de ir no festival por parte do alguém. Lembro que em 2015 eu quis muito ir porque haveria um show do A-ha, mas como não havia ninguém para ir, passou. Em 2017 quis ir por conta do Bon Jovi, mas como eu também não teria companhia, deixei para lá.

Rock in Rio 2019

Este ano, como já havia viajado sozinha e estava planejando uma viagem também só para o Espírito Santo, pensei na possibilidade de ir ao Rock in Rio ainda em abril. Contudo, assim que vi os valores das passagens para o Rio de Janeiro saindo de Goiânia na época do festival desisti.

O Bon Jovi, banda que sou fã, anunciou show em outros lugares e aí comecei a pensar em finalmente viajar para ir em show. Pensei em ir no show de Recife/PE, mas o valor das passagens me desanimaram. Contudo, quase todos os dias eu verificava o preço da passagem aérea para a capital pernambucana. Em julho, com o Rock in Rio saindo cada vez mais na mídia, voltei a pensar na possibilidade de ir no festival e assim comecei a pesquisar passagens para o Rio.

No final de julho encontrei passagem para o Rio de Janeiro, saindo de Goiânia, por R$374, ida e volta (esse trecho custa isso normalmente), pela 123 MIlhas. Para quem estava passagens de R$900 – R$1000, essas estavam quase de graça, assim não pensei muito e comprei hahaha.

A saga pelo ingresso do Rock in Rio

Depois de comprar a passagem, eu precisava comprar o mais importante: o ingresso do Rock in Rio. No site oficial não tinha mais e assim comecei minha peregrinação nos grupos do Facebook atrás de ingresso para o show do Bon Jovi. Com medo de cair em golpe, preferi comprar de pessoas de Goiânia e acabei encontrando uma moça de uma cidade vizinha. Paguei R$350 na meia e na mesma semana o site oficial do Rock in Rio colocou alguns ingressos à venda por R$260. Ok, pelo menos eu já tinha o meu.

Partiu Rio

Depois disso foi só alegria. Comecei a planejar minha viagem (parte que mais amo), pesquisar hotéis, pensar em lugares que eu ainda não conhecia no Rio de Janeiro. Dessa vez decidi me hospedar em Botafogo e encontrei uma pensão pelo Airbnb por R$45 (quarto individual com banheiro compartilhado). Todos os meus passeios pelo Rio vocês conferem em forma de vídeos no meu canal do YouTube (aqui).

Meu primeiro Rock in Rio

No dia anterior ao Rock in Rio, 28 de setembro, acabei conhecendo uma mineira, a Lais, no CCBB Rio de Janeiro. Ela também estava viajando sozinha e iria para o show do Bon Jovi. Trocamos contatos e combinamos de ir no Show juntas. 

No domingo, 29 de setembro, fomos ao Parque Lage e depois voltamos cada uma para sua hospedagem. Eu aproveitei para comprar uns lanches (biscoitos de polvilho) e pão para fazer sanduíche para levar no evento. Alguns sites já haviam anunciado os valores (absurdos) de algumas comidas, fora que estou com várias restrições. Almocei e fui me arrumar. 

Às 14h30  nos encontramos na estação de metrô Botafogo e pegamos a linha L1 até a estação Oceânica. De lá pegamos o BRT até o Terminal Centro Olímpico. Chegando no Rock in Rio já pagamos a volta do transporte público e pegamos uma pulseira. A ida e a volta custou R$15,05 no cartão Riocard, que permite a integração nos transportes públicos do Rio (VLT, BRT, barca, ônibus e metrô).

Que festival é esse?

Eu fiquei encantada com o Rock in Rio. O complexo onde foi realizado é imenso e é quase impossível conhecer tudo em um dia só. Acho que andei por todo o espaço, mas fui em poucos estandes e não consegui curtir show em outros palcos além do Palco Mundo. Vi só o início do Show da Jessi J no Palco Sunset e depois encontramos um lugar para sentar. 

Havia fila em alguns banheiros, que não estavam tão sujos, mas elas eram rápidas. Do lado de fora havia bebedouros para encher a garrafinha.

Goo Goo Dolls

Além disso, tudo era muito bem organizado. Tanto a ida como a volta em transporte público foram bem tranquilas. O que eu achei ruim foi a falta de educação do público mesmo, no final do show no Palco Mundo o chão estava coberto de copos, capa de chuva e lixo.

Bon Jovi

O Jon Bon Jovi tem uma presença de palco incrível. Ele anda de um lado para o outro e parece que canta do fundo do coração. E como tradição, chamou uma fã para dançar com ele Bed of Roses. Fui ao delírio quando ele cantou Always, a minha preferida. Teve também You Give Love a Bad Name, Living on a prayer e Its My Life debaixo de uma chuva fina e muito vento.

Já estou mega ansiosa para o Rock in Rio 2021.

Assista ao vlog do meu primeiro festival aqui.


Por Di Lua, sobre Entretenimento
Dia 23/10/2019

A Garota da Capa Vermelha é uma história que criei para compartilhar juntamente com as fotos que fiz no final de semana para o Halloween. A comemoração da data tem se tornado popular no Brasil e cada vez mais queremos nos produzir para participar das festas. Este ano combinei com meus amigos de ir em uma festa aqui em Goiânia e acabamos fazendo umas fotos durante o dia no Parque Areião. Vejam:

A Garota da Capa Vermelha

Era uma vez uma linda garotinha conhecida como Chapeuzinho Vermelho. Ela tinha aquele apelido por usar sempre uma capa vermelha que havia ganhado de sua avó. Ela gostava muito de se aventurar pela floresta, fazendo trilhas e colhendo frutas. 

Um certo dia, sua mãe pediu para que ela levasse uma cesta com pães e maçãs para sua avó, que estava adoentada. A avó de Chapeuzinho morava em uma casa no meio da floresta, a uma hora da aldeia. Apesar de sempre ir lá, a garota tinha receio de demorar pelo caminho e chegar lá ao anoitecer, pois, segundo uma lenda local, havia um lobisomem naquelas redondezas. 

Encantada com a floresta, chapeuzinho se perde

Chapeuzinho saiu de casa após o almoço. No meio do caminho se encantou com uns pássaros que havia na floresta e acabou se perdendo na trilha. Ela não se importou muito, pois era uma oportunidade de conhecer novos lugares. Com tudo, o sol estava se pondo e já era possível ouvir o piu da coruja ao longe. Aos poucos a lua cheia ia surgindo.

De uma hora para a outra, a atmosfera da floresta mudou e Chapeuzinho sentiu calafrios. Embora não tivesse vendo nada, começou a ter a sensação de que estava sendo observada. Ela então apressou os passos e tentou encontrar o caminho para a casa de sua avó. De repente, Chapeuzinho começou a ouvir passos em cima das folhagens e ao virar para trás se deparou com uma grande figura cinzenta, com o corpo coberto de pelos. Brilhando sob a luz do luar, dentes pontiagudos e unhas afiadas crescendo de grandes garras.  Ofegando de medo, Chapeuzinho Vermelho começou a correr por entre as árvores, e logo sua cesta e sua capa ficaram para trás.

A lenda era real

A garota corria com toda a velocidade que conseguia. Apesar da lua cheia brilhando no céu, a mata era densa e fechada, e Chapeuzinho acabou tropeçando na raiz de um grande sabugueiro e caiu. Ela tentou se levantar, mas o lobisomem foi mais rápido que sua vontade e a atacou. No mesmo instante ela sentiu o sangue frio descendo por sua testa. Ela se contorcia e tentava se desvencilhar dos golpes, mas o lobisomem não ia desistir de seu objetivo: morder o pescoço onde veias arroxeadas saltavam. Contudo, ele acabou encostando no medalhão de prata que Chapeuzinho usava e urrou de dor. A jóia, um presente da avó, era de prata. A fera precisava encontrar água antes que a ferida se abrisse mais e largou a garota só.

Chapeuzinho, vendo que o lobo fugia, se levantou. Ela se sentiu zonza, mas se pôs a caminhar com dificuldade tentando encontrar o caminho para a casa de sua avó. A garota não sabia mais nem onde estava, mas uma coisa era certa: não conseguiria voltar para sua casa antes que o dia amanhecesse. Após um dez minutos andando, Chapeuzinho acabou encontrando sua capa e a cesta jogada na trilha. Ela pegou suas coisas e apressou o passo.

Alivio e medo

Durante a caminhada parou diversas vezes para pegar um pouco de ar, ela sentia náuseas e seu estômago estava embrulhado.  Ela começou a avistar uma fumacinha saindo de uma chaminé após uma clareira e se animou por ver que a casa da avó já não estava tão longe.

Em poucos minutos, ela chegou na casa de madeira e começou a bater desesperadamente na porta e chamar por sua avó. De dentro uma vozinha fraca perguntou quem era e Chapeuzinho falou seu nome. A porta abriu devagar e a garota entrou. Ela ficou aliviada por estar na casa da avó, que ficou assustada ao ver os cortes no lindo e delicado rosto da neta. A garota contou tudo que havia ocorrido à avó, que preparava um chá de beladona.

A avó ouvia tudo com uma expressão serena, mas por dentro sua cabeça parecia que iria explodir. Ela já havia vivido tempo suficiente para saber quem ninguém sai ileso de um ataque de lobisomem. Chapeuzinho Vermelho já estava calma e agora até orgulhava de sua astúcia, mal sabia ela que a maldição do lobisomem não era exatamente do jeito que os aldeões contavam.

Você pode assistir trechos dessa história em vídeo, no tutorial de Chapeuzinho Vermelho que fiz para o Youtube aqui.

E aí, o que vocês acham que acontecerá com Chapeuzinho Vermelho? Gostaram da história? Comente aqui:


Por Di Lua, sobre Moda/Beleza
Dia 20/10/2019

Quer investir em um calçado para usar agora na primavera verão e até no outono e inverno? Invista em uma sandália preta.  Ela é um coringa, pois vai bem com calça, saia, vestido, short, linho, algodão, viscose, com looks neutros, coloridos, peb, com tudo mesmo. Além disso ela também vai bem em diversas ocasiões. E tenho certeza que toda mulher tem um par de sandália preta em seu guarda-roupa (se não tem, já teve em algum momento da vida).

Com as altas temperaturas chegando em todos os estados, as rasteiras e sandálias abertas dão as caras nos looks das brasileiras, que não abrem mão do conforto, principalmente no verão. Nesta estação estamos vendo o retorno de tendências que marcaram bastante os anos 80, 90 e 2000 quando o assunto é calçado, como o salto grosso/bloco, sandálias de amarração e o vinil. São inúmeros modelos e possibilidades. 

Além disso, muitos modelos tem vindo com um mix de tendência, tipo salto bloco com amarração, salto bloco com detalhes naturais, rasteirinha com amarração.

Abaixo uma lista das principais tendências para as sandálias verão 2020 para você investir e continuar usando por algumas estações.

Rasteirinha preta

Esse é aquele tipo de sandália perfeita para o verão: sem salto, abertinha e que muitas vezes é só enfiar o pé, bem prática mesmo. Eu gosto desse tipo de calçado para passear, dar uma volta no shopping, combinar com um vestidinho mais leve e é minha primeira opção nos dias mais quentes. Para não machucar o pé ou ficar desconfortável ao longo do passeio, presto muita atenção no tipo do solado e palmilha, prefiro os anatômicos e que seja um material mais molinho, afinal, conforto é tudo.

Essa com certeza será uma aquisição para a vida, pois rasteira preta nunca sai de moda.

Sandália preta de salto grosso

Essa é uma das tendências que retornou da década de 70 para os nossos guarda-roupas. O salto grosso, ou bloco, é um aliado para quem não tem tanta disposição e facilidade para encarar sandálias altas, assim como eu rsrs. O salto grosso garante mais estabilidade o que o torna mais confortável. Vale a pena investir em sandálias pretas com salto grosso para usar no dia a dia e em ocasiões mais formais. A tendência promete ficar por algumas estações.

Sandálias com ponta quadrada

Esqueça as sandálias com bico arredondado, pois essa estação também traz uma tendência que é bem a cara do final dos anos 90 início dos 2000, a sandália quadrada, que com certeza nossas mães usaram muito há alguns anos. Vale apostar em modelos mais minimalistas, com poucas tiras. 

Sandálias com vinil

Outra tendência dos anos 2000 é o uso de vinil transparente nas sandálias, deixando o pé mais à mostra. As marcas têm apostado no uso do material mais no detalhes das sandálias, como ao lado de tiras, do que nelas todas. Acho isso bom, pois não sou muito fã daqueles modelos de sandálias e ou tamancos todo no verniz.

Sandália preta de amarrar

Sexy e elegante, assim são as sandálias de amarrar que é aquele tipo de tendência que volta com força total de períodos em períodos. Na primavera/verão 2019  a amarração apareceu nas flatforms, principalmente com materiais mais naturais, mas um pouco tímidas. Nesta estação, a tendência vem com tudo e aparece principalmente nas sandálias de salto, com tiras que sobem até a panturrilha.

Sandália preta com detalhes naturais

A palha e o cortiça continua com tudo no verão 2020 e aparece em bolsas e nos detalhes de calçados. A sandália preta contrasta com o material e dá um charme a mais no look, como essas da Amaro abaixo.

E você, também tem uma sandália preta coringa? já aderiu alguma dessas tendências? Deixe sua opinião aqui nos comentários.


Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 17/10/2019
Praia do Forno Arraial do Cabo lary di lua

A Praia do Forno ganhou meu coração.

Meu segundo dia em Arraial do Cabo foi marcado por muita chuva rs. Nesse dia não deu para sair e fazer nada, então fiquei no hostel mesmo, compartilhando experiências. Lá havia um casal de voluntários da Columbia. Eles estavam viajando a América do Sul e haviam amado o Brasil. Conversamos sobre largar tudo e viajar, trocar trabalho por hospedagem, nomes de comidas. Enfim, histórias que a gente só compartilha quando fica em hostel (ponto para esse tipo de acomodação). 

A noite fui com o pessoal para o Calamares, um barzinho famoso localizado na Praia Grande que sempre tem um samba ao vivo e vários petiscos. A noite foi bem animada.

Na manhã seguinte, acordei cedo, tomei café da manhã e parti para a Praia do Forno. A previsão do tempo já mostrava que a sexta seria de sol e eu não queria perder tempo, até porque meu ônibus para o Rio de Janeiro saía a 13h30 da rodoviária. 

Trilha Praia do Forno

Durante minhas pesquisas descobri que só era possível chegar na Praia do Forno através de uma trilha, no final da Praia dos Anjos (de onde sai as embarcações e passeios marítimos) ou de barco-taxi. No dia do passeio de buggy passamos em frente a escadaria onde a trilha começa e gravei o local, do lado da Igreja da Nossa Senhora dos Remédios. 

Então segui, junto com a Ruana, pela orla da Praia dos Anjos até o começo da trilha da Praia do Forno. A trilha é leve e rápida, cerca de 10 minutos, contudo é preciso ter atenção pois a subida inicial é bem íngreme e um pouco escorregadia. Eu estava de sandália Havaianas, mas poderia ter levado um tênis para ter uma maior segurança. Quando comecei a cansar, chegamos no ponto onde dá para ver a praia lá embaixo ( e que é bem famoso na internet) e paramos para fazer umas fotos. Depois desse ponto tem uma descida e logo se chega na praia, que é muito linda. O visual da trilha é lindo, cheia de cactus e logo se avista o mar azul de um lado e a Praia dos Anjos com suas embarcações de um outro.

Praia do Forno

Ainda estava meio nublado e resolvemos andar até a ponta da praia, que tem cerca de 500m. Durante a caminhada o sol se firmou e o local ficou ainda mais lindo. A água que já estava azul, ganhou um tom mais esverdeado e ganhou meu coração. Já quero voltar para Arraial do Cabo e passar mais dias lá com sol rs.

Fiquei até umas 10h30 na Praia e depois voltei para o hostel, pois o checkout termina às 11h e eu queria almoçar antes de ir para a rodoviária. Morro de medo de perder passagens (de modo geral) por atraso, então gosto de fazer tudo dentro do prazo para não me enrolar.

Não quis trocar minha passagem e ficar em Arraial até de tarde para não chegar lá muito tarde. Reservei um quarto pelo AirBnb em uma pensão e os funcionários ficavam até as 21h, logo eu precisa chegar até esse horário. Em 2014, quando eu voltava de Cabo Frio com mais três amigas, dois pneus do ônibus furaram e a viagem atrasou mais de 2h. Era por volta das 21h e tivemos que esperar um outro ônibus. 

Por que o mar de Arraial do Cabo é tão azul?

Na região de Arraial do Cabo acontece um fenômeno oceanográfico chamado ressurgência, em que as águas profundas e mais frias são levadas à superfície. Neste movimento, influenciado pelas correntes marítimas e do vento, os nutrientes também são arrastados para cima. Assim o sol acaba refletindo na areia e nos micro-organismos que estão na superfície da água, deixando a bem mais cristalina. 

Como chegar em Arraial do Cabo indo do Rio de Janeiro?

Você pode comprar passagem pela viação 1001 e ir de ônibus da Rodoviária Novo Rio, que fica no bairro Santo Cristo. A passagem custa de R$52 a R$70, varia conforme o horário (veja mais detalhes aqui). Ou você pode alugar um carro ou pagar taxi/uber. O valor de Taxi é aproximadamente R$500 – R$600 só ida, se você tiver com umas quatro pessoas rola dividir, mas ainda assim acho caro se comparado com o valor do ônibus.

Comida: No Centro tem alguns restaurantes com comida a kilo e nas praias sempre tem quiosques com petiscos. Você também pode comprar comido no supermercado e cozinhar. A noite tem vários bares nas orlas da praia e restaurantes aberto no Centro e na Praia dos Anjos. 

Para descobrir opções de comidas nos lugares onde vou, entro no Google Maps e pesquiso por: almoço (exemplo) e o aplicativo mostra os restaurantes próximos de onde estou.

Eu e Ruana 🙂

Páginas123456... 242»