Por Di Lua, sobre Dicas de Goiânia
Dia 06/07/2019

Vem para Goiânia e não sabe o que fazer? Os filhos estão de férias e não sabe onde leva-los? Gosta de andar de patins mas não conhece nenhum lugar apropriado para isso? Que tal conhecer o Centro Cultural Oscar Niemeyer?

O Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON) é um complexo de espaços culturais situado às margens da GO 020, perto do Shopping Flamboyant, em Goiânia. Ele foi inaugurado em março de 2006 e desde então é palco de diversos eventos relacionados à cultura, e um dos principais pontos de lazer dos goianienses.

O projeto do complexo é do arquiteto carioca Oscar Niemeyer e, por isso, o Centro foi batizado com seu nome. Apesar disso, muitas salas levam o nome de artistas goianos. Os edifícios do complexo foram todos construídos em formas geométricas e se tornaram ícones de Goiânia, sendo avistado de vários lugares da cidade.

O Centro é composto pela Esplanada Juscelino Kubitscheck, onde ocorre eventos, shows, apresentações, e onde os goianienses gostam de ir aos finais de semana para andar de patins e skate. Também é composto pelo prédio da Biblioteca, o MAC – Museu de Arte Contemporânea, pelo Palácio da Música, e pelo Monumento aos Direitos Humanos.

Biblioteca do Centro Cultural Oscar Niemeyer

No dia 19 de junho de 2019 foi inaugurada a maior biblioteca infantil do estado no Centro Cultural Oscar Niemeyer. O acervo conta com mais de 4600 títulos, com obras de Machado de Assis, JK Rowling, Monteiro Lobato, entre outros. Na programação da biblioteca há sessões de cinema, atividades de cotação de história, teatro e diversas oficinas.

O CCON funciona de terça a domingo, e a entrada é gratuita. Aos finais de semana há empresas que alugam patins e skate para quem quiser se aventurar nos esportes rs.

Confira mais dicas do que fazer em Goiânia aqui.

Você é de Goiânia? Conhece o Centro Cultural Oscar Niemeyer? Comente aqui:


Por Di Lua, sobre Moda/Beleza
Dia 02/07/2019
tendências de inverno lary di lua

No último dia 21 de junho teve início a estação do ano em que eu mais gosto de me vestir: o inverno. Apesar de Goiás, o estado em que moro, ter apenas duas estações bem definidas, que é seca (abril a outubro) e a chuvosa (outubro a março), ainda conseguimos ter algumas semanas de frio. Em cidades do interior do estado o frio persiste mais, mas aqui em Goiânia ele dura pouco e, por isso, eu aproveito para usar todos os meus casacos, meias calças, cachecóis e terceiras peças nesses dias hahaha.

Jaqueta aviador linda da Amaro

É nessa estação que todo mundo aproveita para tirar a calça de couro do armário, assim como as meias-calças, casacos mais estruturados e o xadrez. Mas nem só de cores escuras e casacos pesados vive o inverno. Este ano, a estação está sendo marcada pelo mix de estampas, cores e estilo (neon, animal print, tons terrosos, tecido tweed, pegada streetwear, entre outros), mostrando que cada vez mais vale investir em peças atemporais e utilizá-las em todas as estações.

Além disso, a influência retrô continua com tudo e na rua vemos muita peça bem característica dos anos 80 e 90, como calças mom jeans, jaquetas com aspectos mais desgastados, croppeds com mangas bufantes, entre outros.

Abaixo separei as tendências que estou amando e usando.

Tendências Inverno 2019

Western

Amo essa tendência e já até fiz um post sobre ela aqui. O Western é um estilo inspirado nas roupas utilizadas pelos camponeses norte-americanos do século XIX, tornando se muito popular nas décadas de 1940 e 1950 através dos cantores country e dos filmes de Velho Oeste. O estilo é marcado por muito jeans, jaquetas de couro, franjas (em bolsas ou roupas), botas, muitas tachas e fivelas.

Para não errar deixando o look muito caricato, escolha uma ou duas peças características do estilo Western e o trabalhe de forma sutil com seu estilo pessoal. Combine calça jeans, blusa básica e jaqueta com uma bota western (que tem recortes característicos, bordado ou fivelas e com salto bloco), por exemplo.

Tons Terrosos

Outra tendência que adoro são os tons terrosos. Nessa temporada, o marrom, o caramelo e o mostarda aparece em blusas, calças, jaquetas de couro, blazers e em casacos oversized. As cores estão em alta neste inverno, mas a verdade é que elas nunca saem de moda e são bem fáceis de combinar com outras peças e cores.

Pelos e Plumas

tendências de inverno lary di lua

O pelos e as plumas estão com tudo e não só apenas nas jaquetas aviadoras (elas surgiram na Primeira Guerra Mundial, quando os aviões não possuíam cabine fechada e os pilotos precisam se proteger do vento e das baixas temperaturas), mas também em forma de casacos e coletes. Além disso, no inverno 2019 as plumas e os pelos ganham espaço em cores pastéis e claras, não ficando restrito apenas aos tons terrosos ou escuros.

tendências de inverno lary di lua

Animal Print

Para quem gosta de ousar e dar um toque a mais no look, o animal print é pedida certeira nessa temporada. No inverno 2019 ele chega em duas linhas: oncinha e piton (que remete à cobra Piton, que tem o couro branco e preto). A primeira é muito vista em casacos, calças e acessórios, já a segunda aparece bastante em botas e cintos. Eu amo animal print mas prefiro usá-los em acessórios, como detalhe em uma bolsa ou no calçado.

Veludo Cotelê

O veludo reapareceu há algumas estações e caiu na graça de todo mundo, mas nessa estação quem ganha destaque é o veludo cotelê (aquele com risquinhos), que me lembra muito minha infância nos anos 90. A peça tem textura e esquenta bastante, sendo uma boa pedida para esta estação. Além disso, o veludo cotelê é facilmente combinado com cores neutras e deixa qualquer produção elegante.

Militarismo

A tendência não apareceu tão forte quanto em outros invernos, mas percebi que toda marca de moda tem ao menos uma peça verde militar compondo os looks da estação. Para não errar, invista calças ou jaquetas dessa cor. Aproveita para usar sua parka verde militar!

tendências de inverno lary di lua

Gostaram do post? Comenta aqui qual tendência do inverno 2019 você está gostando mais?


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 30/06/2019
Imagem de analogicus por Pixabay

Me apaixonei pela Grécia nas aulas de história do Ensino Fundamental. Naquela época eu ficava imaginando como pessoas poderiam ter imaginado, planejado e construído monumentos e templos incríveis há quatro mil anos sem ter nenhuma tecnologia como a qual temos hoje. E é claro que isso teve um dedinho dos deuses do Olimpo, certeza.

Imagem de Dimitris Vetsikas por Pixabay

A civilização grega deixou um grande legado histórico e cultural à sociedade ocidental, entre eles a concepção de democracia, filosofia, arquitetura, teatro, geometria, literatura e medicina. Sou apaixonada por história e a Grécia está na minha lista de lugares para conhecer urgentemente. Acredito que visitar o país hoje em dia é uma forma de reviver e entender como a Hélade (conjunto de cidades-estados que formavam a Grécia) ainda influencia nossas vidas após tantos anos.

Formação da Grécia

Imagem de analogicus por Pixabay

Por volta do ano 2000 a.C., aqueus, jônicos, eólios e dóricos migraram para a região Balcânica, entre os mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo. Esses povos, conhecidos como indo-europeus, eram oriundos do Norte da Europa e começaram a constituir as primeiras cidades-estados. Cada cidade possuía seu governo com características próprias e os aspectos culturais que unificavam todas elas, como a língua e a religião politeísta, por exemplo.

A civilização grega é dividida nos seguintes períodos: o Pré-homérico, que vai de 2.000 a 1.100 a.C.; Homérico, que vai de 1.100 a 800 a.C.; Arcaico, que vai de 800 a 500 a.C; Clássico, a partir de 500 a.C., e o Helenístico, que vai de 338 a 146 a.C. No período Pré-homérico desenvolveram as civilizações micênica e minoica na região banhada pelo Mar Egeu. Já no período Homérico se deu a formação dos clãs familiares, genos, que seriam a base para o surgimento das poleis no período Arcaico. O Clássico é caracterizado pelo desenvolvimento da filosófica de Socrates, Platão e Aristóteles. Por fim, o período Helenistico é marcado pela expansão da cultura grega pelo mundo com o império comandado por Alexandre, o Grande.

Atenas: uma cidade marcada por história e mitologia grega

Acrópole – Imagem de Dias12 por Pixabay

Atenas é a cidade que todo turista deveria conhecer na Grécia.  Localizada ao sul da Grécia, ela foi uma das principais cidades-estados, e atualmente é muito procurada por pessoas que buscam respirar história. A cidade teve grande destaque no poder devido a ter um dos maiores portos do Mediterrâneo, o Pireu, que impulsionou o comércio marítimo e, assim, possibilitou a ampliação do domínio ateniense no século VIII a.C.

É em Atenas que está a Acrópole, a cidade alta construída em 450 a.C. a 150m acima do nível do mar e que pode ser vista de toda a capital grega. Entre os monumentos mais importantes da Acrópole, estão o Propileu, o Erecteion e o Partenon, símbolo da civilização grega e construído, no século V a.C., em homenagem à deusa Atena.

Partenon – Imagem de timeflies1955 por Pixabay

A construção do Partenon é atribuída a Péricles, líder democrático de Atenas que foi responsável por diversas obras públicas após uma invasão persa. O projeto do templo é dos arquitetos Ictinus e Calícrates, que seguiam a arquitetura dórica, caracterizada principalmente pelo uso de colunas.

Apesar de ser todo em mármore branco, estudos recentes mostram que o Partenon era pintado de vermelho, azul e ouro, as cores de Atena, cuja imagem em madeira, marfim e ouro adornava a sala de adoração. Todas as deusas tinham uma sala especial no templo.

O Partenon é considerado uma obra perfeita pois sua estrutura segue o ideal matemático 9:4, que adota as relações do comprimento com largura e o espaço entre as colunas, com base em seus diâmetros.

Mitologia Grega

Para entender e apreciar a Grécia, acredito ser essencial conhecer o básico da mitologia grega, difundida no ocidente através de livros e filmes. Para os gregos, Gaia (terra) surgiu do nada e criou Urano (céu) que comeu os próprios filhos, os titãs, temendo a ambição deles pelo poder. Urano foi destituído pelo filho mais jovem, Cronos, que também passou a comer os próprios filhos (os deuses), até que sua esposa Rea salvou Zeus, o escondendo. Ao crescer, Zeus obrigou Cronos a devolver seus irmãos e dividiu com eles o universo.

Atenas – Imagem de Adrian Balea por Pixabay

Zeus assumiu o papel mais importante, deus dos deuses; Hades ficou responsável pelo mundo subterrâneo (dos mortos) e Poseidon pelos oceanos. Além deles, também havia Hera, esposa de Zeus; Atenas, filha dos dois; Apolo, Afrodite, Ares, Hermes e Dioniso. Eles habitavam o Olimpo e cada um tinha características próprias e sentimentos, diferenciado dos humanos por conta da imortalidade e dos poderes. Os humanos homenageavam os deuses com sacrifícios, festas e Jogos Olímpicos, que aconteciam de 4 em 4 anos.

*Com informações do Howstuffworks, InfoEscola e sua Pesquisa.

E vocês, também sonham em conhecer a Grécia ou só tiveram curiosidade após ler este post? Comente aqui


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 28/06/2019

Meu último dia em Vila Velha foi de muita praia e sol. A cidade é linda e as praias mais lindas ainda. Confira:

Após conhecer o Centro Histórico de Vitória e o Palácio Anchieta, fui para o ponto esperar um ônibus para ir para a Praça dos Namorados, na Praia do Canto, mas acabei pegando um Uber, pois o sol já estava se pondo e eu queria chegar na praia ainda durante o dia.

Eu utilizei ônibus apenas duas vezes durante minha viagem, que foi para ir do Convento da Penha até o Centro de Vitória e para ir até o Farol Santa Luzia, e foi super fácil. Pesquisei as linhas que iam para o destino que eu queria no Movit, que me mostrou as opções e que o ponto era de frente o prédio em que eu estava hospedada pelo AirBnb. O Movit é um aplicativo para pesquisar rotas e ônibus em todos os lugares do mundo (vale a pena baixar).

Cheguei na Praça dos Namorados, que é linda por sinal, e estava começando a feirinha de comida e artesanato que ocorre ali aos finais de semana a partir das 18h (eu não fotografei a feira, mas você pode vê-la neste vlog aqui). Aproveitei para experimentar uma torta capixaba muito famosa no Espírito Santo. Eu fiquei doida para experimentar a moqueca capixaba, porém estou com uma inflamação no intestino e não posso comer quase nada. Em relação à torta, me certifiquei dos ingredientes e como era assada não teve nenhum problema.

Saí da Praça dos Namorados e fui caminhando até a Curva da Jurema, uma praia cheia de quiosques e barzinhos e fui até o monumento em Vitória 360º. De lá fui para o apartamento descansar para aproveitar o dia seguinte.

Praias de Vila Velha: Praia Secreta, da Sereia e da Costa

Levantei assim que amanheceu. Tomei o café da manhã, arrumei minhas coisas, e peguei um ônibus direto para a prainha para conhecer o Farol Santa Luzia. Por um relapso de memória encontrei o farol fechado. A maioria dos museus e locais públicos não abrem para visitação às segundas-feiras e, com a supressão de um dia por conta da chuva, acabei me esquecendo disso.

Aproveitei que estava perto e fui para a Praia Secreta, uma praia linda que havia encontrado na internet enquanto fazia minhas pesquisas. Dei uma olhada no Google Maps, que mostrava que a Praia estava na primeira ruazinha a direita após o Farol. Desci a ladeira, virei a rua, mas cheguei a Praia da Ribeira. Fiquei sem entender, mas lembrei que havia passado, na ida e na volta do Farol, por uma portinha em um muro branco. Como eu já estava lá, resolvi voltar. No caminho encontrei alguns trabalhadores que confirmaram minha suspeita, a entrada para a Praia Secreta era realmente na portinha no muro branco.

Cheguei na entrada da Praia, que até então estava deserta, e me apaixonei pela vista. Uma pequena praia cercada por morros, pedras e cactos. Pensei em ir embora pois fiquei com receio de ficar lá só, mas logo quando terminei de pensar isso chegou uma família. Então desci até a praia e fiquei por lá até o final da manhã. A praia é bem tranquila e é linda, vale a pena visitar.  Não havia muitas pessoas na praia, mas com o passar das horas foram chegando algumas famílias. Ela foi a praia de Vila Velha que mais gostei de conhecer.

Vista da Praia Secreta de uma morro de pedra que tem em sua lateral

De lá, segui caminhando até a Praia da Sereia, que fica entre a Praia da Costa e a Praia do Governador (praia particular do governo). A praia recebeu essa nome por existir no local a escultura de uma sereia, no entanto, eu não a encontrei :(.

De lá segui para a Praia da Costa, uma das mais movimentadas da cidade. Tem um calçadão largo, quadras para a prática de esportes. Eu passei o dia todo lá e gostei bastante.

E você, já conhece Vila Velha? qual praia é a sua preferida?


Páginas«1 ...34567891011... 240»