Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 29/11/2018

No dia 13 de outubro, nos programamos para chegar no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros às 8h, contudo nos enrolamos. Às 8h30 a caminho do parque, algumas pessoas nos informaram que ele já estava lotado, em razão do feriado, e por isso não receberia mais ninguém. Voltamos até São Jorge e conseguimos transporte com o Uandersom ((62) 99997-1148) até a Cachoeira Raizama, que fica a 3km dali.Como fomos em um grupo com cerca de 18 pessoas, ele cobrou R$20 ida e volta.

Na entrada da fazenda Raizama, que por si só já é cheia de energia, há um palco para shows com fotos de lendas do rock e instrumentos livres para quem quiser tocar. Além disso, o local dispõe de banheiros e de um pequeno bar que sempre tem água para vender e na hora do almoço alguns quitutes, como torta de frango. No dia 13 de outubro, a entrada estava custando R$20, mas como estávamos em um grupo grande, o proprietário cobrou R$15 de nós.

A Cachoeira é formada pelo encontro das águas do rio Raizama e do Rio São Miguel. Durante a trilha circular, o visitante pode se banhar em piscinas formadas nos trechos desses rios e admirar os cânions formados ao longo do rio São Miguel. A Trilha, que é mais curta e tranquila, tem apenas um trecho complicado, que é nas descidas em escadarias para os pontos para banho. O percurso total na trilha é de 2,6km, e por isso é a melhor pedida para quem vai com crianças ou pessoas mais velhas.

Contudo, durante o percurso da trilha, o meu grupo acabou “passando reto” pelas piscinas naturais formadas entre os cânions (por falta de sinalização), seguindo direto para a cachoeira da Raizama e voltando para a portaria. O guia então propôs voltar conosco e mostrar o caminho certo. Dica: preste bastante atenção na explicação da entrada e na hora que chegar no primeiro mirante dos cânions, siga pela esquerda.

Por ser de fácil acesso e ter uma trilha mais curta, a Raizama é uma ótima opção para quem está com crianças ou não tem tanto preparo físico para encarar o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

Assista ao vlog do meu dia na Raizama aqui

E você? Gosta de viagens assim? já ouviu falar da Chapada dos Veadeiros? Comente aqui:


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 06/11/2018

No feriado do dia 12 de outubro fui para a Chapada dos Veadeiros com a Satur Viagens e aproveitei para conhecer a nova trilha do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Saímos de Goiânia no dia 11 de outubro a noite e chegamos na Vila São Jorge, onde ficamos hospedados, por volta das 6h da manhã. Me ajeitei no meu quarto, tomei um café da manhã reforçado e fui para o Parque, que fica a 800m da Vila. Estava com um grupo que conheci na excursão e decidimos fazer a Trilha do Carrossel, inaugurada no dia 11 de setembro.

A Trilha faz parte do circuito dos Saltos, mas você não precisa ir até eles. Você pode pegar a trilha e seguir direto para a Cachoeira do Carrossel, se refrescar após duas horas de caminhada e seguir para as Corredeiras do Rio Preto para descansar e finalizar a trilha, voltando para a entrada do parque, como eu fiz. O trajeto de ida e volta da trilha do Carrossel passando pelas Corredeiras tem cerca de 9km.

A intensidade da trilha é moderada, com trechos com pedras soltas, descidas íngremes e pedras escorregadias. É preciso ter preparo físico e atenção redobrada. Apesar disso, vale muito a pena, pois a cachoeira do Carrossel é linda. Ahh, além disso, o público preferencial tem entrada permitida com veículos 4×4 próprios até o estacionamento das Corredeiras.

Corredeiras do Rio Preto

Parque Nacional dos Veadeiros

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza localizada aqui em Goiás. Até maio de 2017, o parque abrangia uma área de aproximadamente 65 500 hectares de cerrado de altitude, dos quais aproximadamente 60 % ficam em Cavalcante e os demais 40 % em Alto Paraíso de Goiás. O parque ainda abrange os munícios de Colinas do Sul, Teresinha de Goiás e São João da Aliança. O Parque foi criado em 11 de Janeiro de 1961, pelo então presidente Juscelino Kubitschek para proteger áreas de enorme beleza, recursos hídricos, fauna e flora específicos do cerrado mais alto do país, protegendo inclusive o ponto culminante do Planalto Central.

Em dezembro de 2001 o parque foi incluído na lista do Patrimônio Mundial pela UNESCO. Atualmente sua administração está a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Assista ao vlog deste dia aqui

Saiba como chegar à Cachoeira Santa Bárbara lendo este post aqui


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 26/10/2018

Esse post é uma continuação do post “Quanto custa uma viagem de 30 pela Califórnia? parte I“, onde falo sobre todos os gastos que tive durante minha viagem de 30 dias pela Califórnia, sendo quatro dias em Las Vegas/NV. Se você chegou aqui agora, leia ele primeiro 🙂

Alimentação

Como eu tinha o café da manhã incluso em todos os hosteis, gastei em média $25 por dia com almoço, janta e lanche da tarde rs. Vale ressaltar que eu nem sempre comia refeições completas, principalmente porque eu sempre estava na rua e comia no primeiro lugar bonitinho que eu via. Outro ponto importante, é que em Los Angeles, no dia que eu almoçava bem: carne e saladas eu comia no McDonalds à noite (do lado do meu Hostel) porque tinha um cardápio de $3 (cheeseburguer $1, cheesebancon $2, refri $1). Além disso, teve os dias que gastei mais com comida, como os dias que fui ao parques de diversões (veja valores nos post sobre os parques), e teve dias que eu quis comer melhor, tipo em Las Vegas que comprei um Sirloin Steak (carne com dois acompanhamentos) no Denny’s, que com refrigerante e a gorjeta custou cerca de $22, e no meu último dia de viagem, que comprei um prato com frango, legumes e batata no Mel’s Drive In (foto abaixo) e que custou cerca de $25 com gorjeta.

O lugar onde eu me alimentei melhor, durante a viagem, com certeza foi no Gleanings (voluntariado que fiz na Califórnia), pois lá tinha cinco refeições diárias e com opções de carnes e saladas.

Atrações turísticas

Vou listar aqui as atrações fixas que escolhi fazer durante minha viagem pela Califórnia, ou seja, as que eu tinha certeza que eu ia e que planejei com antecedência. Há posts específicos sobre elas no blog, só clicar em cima da palavra para ser redirecionado.

Museum of Ice Cream: Custou $44 e paguei R$160,15 no cartão de crédito

Grand Canyon: Custou $94 e paguei R$355,62 no cartão de crédito

Disney: Custou $107 e paguei R$391,88 no cartão de crédito

Universal Studios: Paguei R$355, pois comprei em uma empresa brasileira, a Vírazom (mais detalhes aqui).

Seguro viagem

Não é obrigatório seguro viagem para entrar nos Estados Unidos. Contudo, na internet está cheio de relatos e pedidos de ajuda de pessoas que sofreram algum acidente ou passaram mal no país e ficaram com dívidas enormes nos hospital. Além disso, o seguro também cobre extravio de malas, entre outras coisas que dão certa dor de cabeça. Então preferi viajar segura, sem me preocupar com isso. Fechei meu seguro viagem com a Seguro Viagem Allianz, com cobertura de até $30.000,00 por R$333,16, válidos por 34 dias, com vigência de 00h de 12/04/2018 a 23h59 de 15/05/2018, dias que eu saí e voltei para o Brasil, respectivamente.

Chip de celular

O chip possibilitou eu tirar fotos lindas do The Palace Fine Arts e postar imediatamente em minhas redes sociais.

O chip de celular foi essencial nessa viagem, principalmente por conta do Google Tradutor, e eu não queria ter que ficar dependendo de wifi. Por isso pesquisei várias opções de chip de celular com internet ilimitada e acabei escolhendo um chip com internet ilimitada durante 32 dias da Easysim 4U, que custou $52,10 (R$186,57 pelo cartão de crédito) com 32 dias de internet (apesar de ficar 30 dias nos EUA, teve os dias que fiquei no aeroporto na chegada e na volta rsrs). Vi muita reclamação da empresa na internet, mas o meu funcionou direitinho.

Atenção: Sei que gastei mais usando o cartão de crédito, contudo preferi comprar muita coisa antes com o cartão para não correr o risco de comprar na hora e não da certo ou perder, o ingresso do Museum of Ice Cream só é vendido com um mês de antecedência, por exemplo.

Gostou deste post? salve ele em seu Pinterest clicando na logo da rede ao passar o mouse em qualquer foto deste post!


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 16/10/2018

Afim de ajudar pessoas que estão querendo fazer a mesma viagem e querem ter noção de custos e como se preparar para uma viagem para a Califórnia (ou viagens semelhantes), neste post fiz uma relação de todos os custos fixos que tive na minha viagem de 30 dias pela América do Norte.

Califórnia

  • San Francisco 5 dias
  • Dinuba 18 dias
  • Los Angeles 6 dias

Nevada

Las Vegas 3 dias

Arizona

Grand Canyon 1 dia

Passagens aéreas

De inicio pensei em comprar as passagens de ida e volta em cidades diferentes. Contudo, por conta do alto valor das passagens, acabei comprando a passagem de Goiânia a Los Angeles e Los Angeles a Goiânia. Comprei as minhas passagens pela Decolar, empresa aérea Delta, e custou R$2109 já com as taxas. Na ida o meu voo foi: Goiânia – São Paulo – Detroit – Los Angeles; e na volta foi: Los Angeles – Nova York – São Paulo – Goiânia. Como eu comecei minha viagem de San Francisco, comprei uma passagem, pela Delta, de Los Angeles a San Francisco por $45. E na hora do embarque paguei mais $25 para despachar minha bagagem. Nesses voos low cost é incluso apenas a bagagem de mão (10kg).

Hospedagens

Pesquisei muito e cheguei à conclusão que, não adianta, a melhor opção de hospedagem para quem viaja sozinha é ficar em Hostel (albergues). Diante disso, dei preferência para Albergues em regiões centrais ou perto da quantidade maior de atrações que eu iria, e que serviam café da manhã, para eu diminuir este custo.

Imagem Reprodução: Página Hi San Francisco Downtown

Em San Francisco: me hospedei no Hi San Francisco Downtown. Cinco diárias com café da manhã custou $239,46(paguei esse valor quando cheguei lá). O Hostel está localizado em 312 Mason St,  perto da Union Square, do Civic Center, do ponto inicial do bondinho, da estação Powell do Metrô e da ChinaTown. No café da manhã havia frutas (maçã e banana), pães, bagel, pasta de amendoim, geleia, leite, café e suco.

 

Imagem Reprodução: Página Walk of Fame Hostel

Los Angeles: me hospedei no Walk of Fame Hostel, localizado na Calçada da Fama, em frente à estação do metrô Hollywood/Higland, do Teatro Douby, do lado do El Captain, do lado de várias lojinhas. Escolhi ele por estar na Calçada da Fama e ter várias coisas para conhecer ali perto e por ser um ponto mais central. Seis diárias com café da manhã custou R$653,64 (pois paguei pelo cartão de crédito anteriormente). Café da manhã com banana, mexerica, pães, bagel, munfins (ameiii), geleias e cremes, café, leite e suco.

Dinuba: Fiquei no Gleanings for the Hungry, onde fui voluntária (saiba mais aqui). Fiz pelo Worldpackers e paguei $45 (R$180 ) de taxa anual para usar o site.

Las Vegas: me hospedei no Sin City Hostel, localizado na 1208 Las Vegas Boulevard South. Um pouco longe da Strip e impossível de ir para lá a pé, devido a distância e o calor. Não encontrei nenhum hostel na Strip que compensasse e como estive em Las Vegas durante o final de semana (quando as hospedagens ficam mais caras) ficava caríssimo ficar em Hotel. E o Sin City era o único hostel com café da manhã. Contudo, não compensou muito, pois perdi dois dias de café da manhã, o dia que fui para o Grand Canyon e o dia que fui para Los Angeles, pois ele só começava a ser servido às 8h (muito tarde para quem tem muita coisa para fazer como eu rs). Ahh, paguei R$368,92 (paguei pelo cartão de crédito antes de ir).

Deslocamentos

Mesmo perdendo três dias (no período da viagem) com deslocamento de uma cidade a outra, preferi isso a viajar a noite, por questão de segurança, medo hahaha, e porque assim eu conseguiria admirar a paisagem. De San Francisco/CA para Fresno/CA, de Fresno/CA para Las Vegas/NV, e de Las Vegas/NV para Los Angeles/CA viajei pela mesma empresa, a Greyhound, que tem linhas em quase todos os Estados Unidos e Canadá. Como comprei as passagens com antecedência, exceto a de Los Angeles, paguei relativamente barato, entretanto, como comprei pela internet, usei cartão de crédito e tive que pagar IOF.

Ponto negativo é que os ônibus atrasaram muito, fazendo com que eu perdesse ainda mais tempo da minha viagem.  No primeiro e segundo trecho, os ônibus foram vazios e fui em uma poltrona e minha mochila em outra rs.

Em breve a parte II deste post, com alimentação, seguro viagem e chip de internet

Leia todos os posts sobre minha viagem para a Califórnia e para Las Vegas/NV aqui

Gostou deste post? salve ele em seu Pinterest clicando na logo da rede ao passar o mouse em qualquer foto deste post!


Páginas1234567... 27»