Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 07/11/2019
passeios gratuitos no Rio de Janeiro lary di lua

Nesta última viagem ao Rio de Janeiro preferia explorar mais o Centro e bairros que eu não conhecia. E, apesar de ter sido minha terceira vez lá, tudo que fiz, com exceção à Praia de Ipanema, foi pela primeira vez. Isso só deixa claro que, diferente do que muitos pensam, o Rio não se resume só a praia  e tem programas para todos os tipos de gostos. Neste post listo cinco programas gratuitos (e dois bônus) para você fazer quando estiver na cidade.

Visitar o CCBB

Um dos passeios gratuitos no Rio de Janeiro é visitar o Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB). O museu funciona em um prédio, no Centro, projetado por Francisco Joaquim Bethencourt da Silva, arquiteto da Casa Imperial, e lançado em 1880. O que mais chama atenção no CCBB é as linhas neoclássicas e a cúpula central. 

Visitei o museu no dia 28/09 e conferi a exposição Raiz do WeiWei e a experiência Museum of Me. Se você vai para o Rio e pretende visitar o CCBB, sugiro que entre no site para conferir as exposições e eventos programados. Se liga: o museu funciona de quarta a segunda, das 9h às 21 horas. 

Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro, Rio de Janeiro.

Se encantar com o Parque Lage e ter uma outra vista do Cristo

Esse foi uma das primeiras coisas que coloquei no meu roteiro da viagem Rio de Janeiro. Sempre via fotos do Parque Lage na internet e ficava encantada. Apesar de já ter ido ao Rio anteriormente, eu nunca tinha conseguido ir ao Parque. Até hoje eu nunca fui no Jardim Botânico, vocês acreditam?

O Parque Henrique Lage é um parque público do Rio, localizado aos pés do Corcovado (onde fica o Cristo), tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1957. Até a segunda metade do século 16, o local era um engenho de açúcar, o Engenho Del Rey, pertencente à Antônio Salema, então Governador do Rio.

O local abriga, desde 1966, o Instituto de Belas Artes, que deu origem, em 1974, à Escola de Artes Visuais.

No dia que eu visitei o parque, 29/09, o céu estava bem nublado e o Cristo Redentor encoberto, mas ainda assim a paisagem do “palácio” em meio a mata e com uma grande pedra atrás (o Corcovado) é magnífica. Vale muito a pena fazer esse passeio gratuito no Rio de Janeiro.

Endereço: Rua Jardim Botânico, 414 – Jardim Botânico, Rio de Janeiro

Museu Chácara do Céu

Eu visitei o Museu Chácara do Céu durante o passeio no Bondinho de Santa Teresa e foi uma surpresa. Apesar de já ter ouvido falar no museu, minha intenção era visitar o Parque das Ruínas, que fica ao lado. Mas por conta da chuva, deixei de fazer o passeio no Bondinho no sábado e fiz na segunda, dia que o Parque das Ruínas não abre rs. 

O Chácara do Céu, conhecido por esse nome desde 1876, era a antiga residência de Castro Maya e foi deixada por ele para ser um museu para os cariocas. O Museu, tombado em 1974 pelo IPHAN, exibe coleções de artes de diversos períodos (várias obras de Portinari, de quem Castro Maya era amigo pessoal), livros raros, mobílias e objetos antigos. 

Para chegar ao Museu Chácara do Céu pelo passeio do Bondinho, você precisa descer na parada do Curvelo e caminhar cerca de 06 minutos até a entrada do Museu. Não é difícil de achar e qualquer pessoa na rua ou no próprio bondinho pode te informar.

Endereço: Rua Murtinho Nobre, 93 – Santa Teresa, Rio de Janeiro

Real Gabinete Português de Leitura

O Rio de Janeiro foi capital do Brasil durante 197 anos e isso faz com que a cidade seja cheia de obras e lugares cheios de história. Um deles é o Real Gabinete Português de Leitura, criado em 1837.

É um lugar magnífico e encantador. Assim que você entra no prédio, se depara com um um brasão português em azulejo no piso. Já na biblioteca, estantes de recheadas com 350 mil livros, vão do chão até o teto,e uma cúpula belíssima termina de chamar a atenção. Há mesas e cadeiras de leituras no lugar, mas o visitante não pode retirar livros das estantes e nem levar livros próprios (por questão de segurança).

programas gratuitos no rio de janeiro lary di lua

Endereço: Rua Luís de Camões, 30 – Centro, Rio de Janeiro

Andar pela Zona Portuária e admirar os grafites 

programas gratuitos no rio de janeiro lary di lua

A Zona Portuária do Rio de Janeiro, próximo a Praça Mauá, ficou durante muito tempo abandonada e os galpões e armazéns servindo de abrigo para moradores de rua. Em 2009 teve início um processo de revitalização que fez com que a região recuperasse seu brilho. Hoje o local é um dos pontos turísticos mais visitados e sede de grandes empresas (o YouTube Space está localizado lá).

É neste local que está localizado o mural Todos Somos Um, mais conhecido como Etnias, do grafiteiro Kobra. O mural tem 3 mil metros quadrados e foi feito para as Olimpíadas de 2016.  A obra, que foi parar no Guinness Book, foi inspirada pela mensagem de união das Olimpíadas e, por isso, reúne representantes de tribos dos cinco continentes: huli (Oceania), mursi (África), kayin (Ásia), supi (Europa) e os tapajós (Américas). 

Além do Etnias, há outros grafites no local. O lugar ficou bem bonito e vale a pena visitar e se encantar com mais esta parte do Rio de Janeiro. No inicio do Piér Mauá, indo do Museu do Amanhã, tem alguns food trucks estacionados, onde você pode fazer um lanche, comprar uma água.

Como chegar: Você pode descer no Metrô Uruguaiana e ir a pé até lá. Como eu fui no Museu do Amanhã primeiro, desci no Metrô Cinelândia, peguei o VLT ali perto e desci já no Início da Zona Portuária, caminhei uns cinco minutos até o Museu do Amanhã. Depois refiz o mesmo caminho a pé.

Bónus: Dois passeios pagos mas que são gratuitos as terças-feiras

Museu do Amanhã

Sim, o Museu do Amanhã é pago, contudo, às terças-feiras ele é gratuito. Por isso, programei minha terça para conhecê-lo. 

Localizado na Praça Mauá, no Centro, o Museu do Amanhã, de artes e ciências, conta com mostras fixas que conta a história do nascimento do “mundo” e alerta sobre os perigos da degradação ambiental, as mudanças climáticas e o colapso social e como isso irá interferir no nosso amanhã. “Uma jornada rumo a futuros possíveis, a partir de grandes perguntas que a Humanidade sempre se fez. De onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? Como queremos ir?” (Museu do Amanhã).

programas gratuitos no rio de janeiro lary di lua

O Museu oferece interações digitais que torna a visita ainda mais interessante e educativa. Além da mostra fixa, no dia em que fui lá estava tendo a exposição “Para Todo Mundo, Comida para 10 bilhões” que nos faz refletir como será possível alimentar uma população de 10 bilhões de pessoas em 2050 com qualidade nutricional, diversidade e sustentabilidade, mostrando as alternativas que podem e já estão sendo utilizadas para isso.

A entrada é gratuita somente às terças – feiras, demais dias R$20 inteira e R$10 meia.

Endereço: Museu do Amanhã, Praça Mauá, 1 – Centro, Rio de Janeiro .

Forte de Copacabana

Eu não tinha programado ir ao Forte nessa minha viagem ao Rio de Janeiro, com tudo, tirei a tarde de terça-feira para curtir a praia e fui junto com a colega que fiz no CCBB. Como passei na pensão depois que voltei da Zona Portuária, combinei de encontrar com ela já em Ipanema, mas depois ela me ligou avisando que estava no Forte, então almocei e segui para lá.

No Forte de Copacabana há um museu sobre a história de quando o lugar era uma fortificação em 1907. Vários fortes foram construídos a partir do século XVI no Rio para defender a Baia da Guanabara e diminuir a vulnerabilidade da então capital do Brasil. Contudo, a graça e o encanto do local está na vista de Copacabana, tanto que há alguns barzinhos e uma Confeitaria Colombo em um dos lados do forte para que o visitante aprecie a vista.

A entrada no Forte de Copacabana é R$6, contudo às terças-feiras a entrada é gratuita.

Endereço: Praça Coronel Eugênio Franco, 1 Posto 6 – Copacabana, Rio de Janeiro – RJ

Gostou deste post? Salve ele no Pinterest

Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 17/10/2019
Praia do Forno Arraial do Cabo lary di lua

A Praia do Forno ganhou meu coração.

Meu segundo dia em Arraial do Cabo foi marcado por muita chuva rs. Nesse dia não deu para sair e fazer nada, então fiquei no hostel mesmo, compartilhando experiências. Lá havia um casal de voluntários da Columbia. Eles estavam viajando a América do Sul e haviam amado o Brasil. Conversamos sobre largar tudo e viajar, trocar trabalho por hospedagem, nomes de comidas. Enfim, histórias que a gente só compartilha quando fica em hostel (ponto para esse tipo de acomodação). 

A noite fui com o pessoal para o Calamares, um barzinho famoso localizado na Praia Grande que sempre tem um samba ao vivo e vários petiscos. A noite foi bem animada.

Na manhã seguinte, acordei cedo, tomei café da manhã e parti para a Praia do Forno. A previsão do tempo já mostrava que a sexta seria de sol e eu não queria perder tempo, até porque meu ônibus para o Rio de Janeiro saía a 13h30 da rodoviária. 

Trilha Praia do Forno

Durante minhas pesquisas descobri que só era possível chegar na Praia do Forno através de uma trilha, no final da Praia dos Anjos (de onde sai as embarcações e passeios marítimos) ou de barco-taxi. No dia do passeio de buggy passamos em frente a escadaria onde a trilha começa e gravei o local, do lado da Igreja da Nossa Senhora dos Remédios. 

Então segui, junto com a Ruana, pela orla da Praia dos Anjos até o começo da trilha da Praia do Forno. A trilha é leve e rápida, cerca de 10 minutos, contudo é preciso ter atenção pois a subida inicial é bem íngreme e um pouco escorregadia. Eu estava de sandália Havaianas, mas poderia ter levado um tênis para ter uma maior segurança. Quando comecei a cansar, chegamos no ponto onde dá para ver a praia lá embaixo ( e que é bem famoso na internet) e paramos para fazer umas fotos. Depois desse ponto tem uma descida e logo se chega na praia, que é muito linda. O visual da trilha é lindo, cheia de cactus e logo se avista o mar azul de um lado e a Praia dos Anjos com suas embarcações de um outro.

Praia do Forno

Ainda estava meio nublado e resolvemos andar até a ponta da praia, que tem cerca de 500m. Durante a caminhada o sol se firmou e o local ficou ainda mais lindo. A água que já estava azul, ganhou um tom mais esverdeado e ganhou meu coração. Já quero voltar para Arraial do Cabo e passar mais dias lá com sol rs.

Fiquei até umas 10h30 na Praia e depois voltei para o hostel, pois o checkout termina às 11h e eu queria almoçar antes de ir para a rodoviária. Morro de medo de perder passagens (de modo geral) por atraso, então gosto de fazer tudo dentro do prazo para não me enrolar.

Não quis trocar minha passagem e ficar em Arraial até de tarde para não chegar lá muito tarde. Reservei um quarto pelo AirBnb em uma pensão e os funcionários ficavam até as 21h, logo eu precisa chegar até esse horário. Em 2014, quando eu voltava de Cabo Frio com mais três amigas, dois pneus do ônibus furaram e a viagem atrasou mais de 2h. Era por volta das 21h e tivemos que esperar um outro ônibus. 

Por que o mar de Arraial do Cabo é tão azul?

Na região de Arraial do Cabo acontece um fenômeno oceanográfico chamado ressurgência, em que as águas profundas e mais frias são levadas à superfície. Neste movimento, influenciado pelas correntes marítimas e do vento, os nutrientes também são arrastados para cima. Assim o sol acaba refletindo na areia e nos micro-organismos que estão na superfície da água, deixando a bem mais cristalina. 

Como chegar em Arraial do Cabo indo do Rio de Janeiro?

Você pode comprar passagem pela viação 1001 e ir de ônibus da Rodoviária Novo Rio, que fica no bairro Santo Cristo. A passagem custa de R$52 a R$70, varia conforme o horário (veja mais detalhes aqui). Ou você pode alugar um carro ou pagar taxi/uber. O valor de Taxi é aproximadamente R$500 – R$600 só ida, se você tiver com umas quatro pessoas rola dividir, mas ainda assim acho caro se comparado com o valor do ônibus.

Comida: No Centro tem alguns restaurantes com comida a kilo e nas praias sempre tem quiosques com petiscos. Você também pode comprar comido no supermercado e cozinhar. A noite tem vários bares nas orlas da praia e restaurantes aberto no Centro e na Praia dos Anjos. 

Para descobrir opções de comidas nos lugares onde vou, entro no Google Maps e pesquiso por: almoço (exemplo) e o aplicativo mostra os restaurantes próximos de onde estou.

Eu e Ruana 🙂

Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 10/10/2019
Arraial do Cabo lary di lua

Viagem marcada para Arraial do Cabo e a cidade está debaixo de chuva? Isso aconteceu comigo no final de setembro e mesmo assim consegui aproveitar muito.

No dia 24 de setembro saí de casa rumo ao Rio de Janeiro, pela terceira vez. Contudo, foi minha primeira vez sozinha na cidade maravilhosa. Cheguei no Aeroporto Galeão por volta das 22h depois de uma longa conexão e mudança de aeroporto em São Paulo. Acabei passando a madrugada no aeroporto pois não quis reservar um hotel antes pois queria pegar o primeiro ônibus para Arraial do Cabo, porém fiquei com receio de ir até a Rodoviária Novo Rio de madrugada e preferi esperar amanhecer no Aeroporto. 

Por volta das 05h30, do dia 25, peguei um uber e fui para a rodoviária. Eu já havia comprado minha passagem para Arraial do Cabo pela internet pois dois dias antes eu havia olhado no site da Viação 1001 e restava apenas quatro lugares no ônibus das 07h. Corri e comprei por R$67,90 (sendo R$57 a passagem e o restante de taxas do site). Contudo, sempre há vagas e horários de ônibus indo do Rio para Arraial.

Hospedagem em Arraial do Cabo

Da rodoviária até Arraial do Cabo são cerca de 3h de viagem, passando por diversos lugares bonitos e parando em algumas rodoviárias. Cheguei em Arraial por volta das 10h30 e caía uma leve chuva. Fui para o Enseada hostel, o check in era só às 14h, mas como estava chovendo me deixaram entrar antes (ebaa). 

O Enseada hostel está localizado na Praia dos Anjos, bem perto da praia, e além de lindo é super organizado. Eu paguei R$45 a diária em quarto feminino compartilhado (com banheiro privado) com café da manhã. Há uma cozinha compartilhada que o hóspede pode utilizar a partir das 11h, o que é uma boa alternativa para quem quer economizar.

Arraial do Cabo com chuva: faça um passeio de Buggy

No meu quarto já haviam duas garotas, a Flávia e a Ruana, conversa vai e conversa vem elas me contaram que iriam fazer passeio de buggy a tarde devido a chuva. Fechamos o passeio no próprio hostel no valor de R$70 por pessoa. O Roteiro do passeio, que tem duração aproximada de duas horas, é: 

Lagoa Seca

Prainha

Paredão 

Lagoa Seca 

Deck Praia do Pontal 

Praia do Pontal

Lagoa Barra Nova

Praia do Foguete

Mirante Pontal do Atalaia

Mirante da Boa Vista

Inicialmente eu não havia pensado em fazer o passeio de buggy, pois minha prioridade era o passeio de barco. Entretanto, por conta da previsão de chuva para o dia seguinte e minha estádia rápida na cidade (dois dias e meio) resolvi o passeio e foi a melhor decisão que tomei. Além de conhecer a maioria das praias locais, mesmo com vento e chuva, você ainda conhece lugares que dificilmente você iria se não fosse pelo passeio, que é a lagoa seca, localizada na antiga fábrica de barrilha e no paredão, que fica ali perto. Fora isso, o buggueiro do passeio que fiz, o Leo, ia contando a história do local, falando das praias. Gostei muito.

Finalizando a tarde em uma cafeteria

Voltando do café ficamos na Simple. Suítes e caffé, uma cafeteria linda que fica proximo ao Enseada Hostel. Além do ambiente acolhedor, com parede para deixar seu nome e disco do Aha, a Simple tem um cardápio incrível, com ovos mexidos, brownies e petite gateu.

Curtindo a noite em Búzios

Um amigo da Ruana, o Jorge, estava em Arraial de carro e eles já estavam planejando ir para Armação de Búzios e me convidaram, eu claro aceitei. Búzios fica a aproximadamente 30km de Arraial, contudo, a rodovia tem muitos quebra-molas e a viagem dura cerca de 1h.

Assim que o carro entrou em Búzios eu me apaixonei. O centro da cidade é cheia de lojas, restaurantes, luzes e música. Primeiro fomos no restaurante Santa Skina, onde estava tendo um show com muita música latina. Eu amei. De lá saímos para ir embora, mas resolvemos dar uma volta na rua e paramos em frente ao Mr. Brad onde rolava um show de samba e ficamos. Foi uma noite bem animada e que me deixou morrendo de vontade de conhecer Búzios durante o dia.


Por Di Lua, sobre Diário de Viagem
Dia 28/05/2014

Lary di lua Leme Rio de Janeiro (5)

Este é o último post da série de Diário de Viagem no Rio de Janeiro. O último dia na cidade maravilhosa foi regado à praia.

Nosso voo estava marcado para as 21:40, mas nosso check out no Hostel era às 11h. Deixamos as malas arrumadas, pois elas ficariam no Hostel, e as 18h voltaríamos para busca-las e tomar banho. Assim, resolvemos ficar no Leme mesmo. Lary di lua Leme Rio de Janeiro (2)
Resumindo: A viagem foi ótima, saltei de Asa Delta, fui no Saara, consegui ir em mais pontos turísticos do que da outra vez, mas senti falta de ir em pelo menos um museu :(. Na próxima, irei nos museus logo no primeiro dia.
Lary di lua Leme Rio de Janeiro (3)
Lary di lua Leme Rio de Janeiro (4)
T-shirt comprada no Saara por R$5,00

Assistam meu voo de Asa Delta aqui.


Páginas123