Por Di Lua, sobre Uncategorized
Dia 17/01/2011

        Sim, ele estava ali. Jonh estava ali do meu lado, dirigindo o conversível de sua mãe, o qual ele tinha pegado “emprestado” para passarmos o dia. Sei que ele queria me surpreender , e estava conseguindo.  Não, não era por causa do carro, ele tinha aparecido em casa com um buquê de flores, e com palavras bonitas.
        No rádio tocava “Who’ll Stop The Rain ” do Creedence Clearwater Revival, e eu olhava para ele. Aqueles olhos azuis penetrantes me dizia que podia me fazer feliz, apesar do seu jeito inconsequente. E naquele momento eu passei a acreditar que seria feliz.
         Seguiamos sem rumo, aliás seguiamos o vento, a procura de diversão, a procura do amor.



Edy Santos disse:
Dia 17/01/2011 às 21:36

Ótimas palavras, deve ser um ótimo livro!
😀

lary disse:
Dia 17/01/2011 às 22:46

Obrigada,
mas ñ é um livro, quem sabe um dia seja

Edy Santos disse:
Dia 18/01/2011 às 01:47

Hehehe, achei que fosse de alguma obra.
São suas palavras? Hum…

Lolis disse:
Dia 18/01/2011 às 22:14

Amiga! Foste tu que escreveste isto? :O Já tenho uma concorrente? hahaha! Adooooro! Lindo mesmo!

lary disse:
Dia 18/01/2011 às 22:27

Concorrente ñ,
vc é a melhor
obrigada
*-*

Juci Barros disse:
Dia 18/01/2011 às 23:20

Tem coisa melhor?!

Beijos.

Lolis disse:
Dia 20/01/2011 às 20:54

Eu? Não sei não! Tbm escreves muito, minha jornalista…hehehe!
Vai com fé que tens talento!
:*